Peculato: ex-servidor é condenado por desviar valores de processos judiciais arquivados

Data:

propina
Créditos: zest_marina | iStock

O juízo da 7ª Vara Federal de Florianópolis proferiu uma sentença condenatória por crime de peculato contra dois indivíduos, incluindo um ex-servidor público da Justiça Federal de Santa Catarina. As penas impostas foram de 15 anos, 3 meses e 15 dias de reclusão para o ex-servidor, que estava em teletrabalho nos Estados Unidos, e 9 anos, 4 meses e 15 dias para o outro réu. Ambas as penas serão cumpridas em regime inicial fechado. A identidade dos envolvidos e detalhes da ação penal estão sob segredo de justiça.

A sentença, proferida pelo juiz federal Roberto Lima Santos, estipula o ressarcimento ao erário em R$ 2.538.326,31, quantia desviada de processos judiciais arquivados. Além disso, foi decretada a perda do cargo público efetivo do ex-servidor.

O magistrado também determinou o perdimento da fiança e o arresto de bens apreendidos para ressarcir o erário. A decisão de primeira instância pode ser objeto de recurso junto ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

O Caso

Usucapião
Créditos: IndypendenZ / iStock

No período entre dezembro de 2017 e abril de 2019, os acusados desviaram mais de dois milhões e quinhentos mil reais em seis ocasiões distintas, utilizando informações privilegiadas sobre contas bancárias antigas com depósitos judiciais não retirados.

O ex-servidor, abusando da confiança de magistrados com quem trabalhava, elaborou ofícios que autorizavam a transferência desses recursos para contas bancárias do outro réu e de uma empresa, na qual este último era sócio. Essas contas não tinham relação com os processos originais ou com os titulares dos depósitos.

Em janeiro de 2022, o TRF4, em um processo administrativo disciplinar, determinou a demissão do servidor por atos de improbidade administrativa e crimes contra a Administração Pública. O ex-servidor, atualmente foragido, teve sua prisão preventiva decretada pelo TRF4 e teve seu nome incluído na Difusão Vermelha da Interpol.

Com informações do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca Definição...

Marcas Notoriamente Conhecidas: Proteção e Exemplos no Brasil

No mundo dos negócios, algumas marcas alcançam um nível de reconhecimento tão alto que se tornam notoriamente conhecidas. Essas marcas gozam de uma proteção especial, mesmo que não estejam registradas em todas as classes de produtos ou serviços. Este artigo aborda o conceito de marcas notoriamente conhecidas, a proteção legal conferida a elas no Brasil e exemplos de marcas que se enquadram nessa categoria.

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.