STJ nega prisão domiciliar a guia espiritual acusado de abusos sexuais em Mato Grosso

Data:

STJ nega prisão domiciliar a guia espiritual acusado de abusos sexuais em Mato Grosso | Juristas
Ministro Og Fernandes - Superior Tribunal de Justiça (STJ)
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Og Fernandes, no exercício da presidência, indeferiu o pedido de liminar em habeas corpus solicitado pela defesa de um guia espiritual acusado de abusos sexuais contra várias mulheres durante rituais em Cuiabá. O objetivo do habeas corpus era substituir a prisão preventiva do acusado por outras medidas cautelares ou pela prisão domiciliar.

O acusado já havia sido preso em setembro de 2023 por abusar de sete mulheres. Recentemente, a Justiça de Mato Grosso expediu um novo mandado de prisão preventiva após mais seis vítimas procurarem a polícia para relatar abusos.

união estável
Créditos: Romkaz | iStock

As investigações da Polícia Civil indicam que o guia usava o TikTok para atrair mulheres à sua "tenda religiosa" sob a promessa de amparo espiritual. Em encontros particulares, aproveitava para cometer abusos sexuais, justificando suas ações como influência de um espírito encarnado.

No habeas corpus ao STJ, a defesa alegou o direito do investigado ao regime domiciliar, conforme o artigo 7º, inciso V, do Estatuto da Advocacia, caso não fossem adotadas medidas cautelares menos graves que a prisão preventiva.

urgência no julgamento
Créditos: Katarzyna Bialasiewicz | iStock

O ministro Og Fernandes, ao indeferir a liminar, destacou que não há ilegalidade flagrante no processo que justifique conceder imediatamente os benefícios solicitados pela defesa. Ele ressaltou que o TJMT, ao manter a prisão preventiva, apresentou de forma clara os fundamentos da decisão, destacando a presença de indícios de autoria e materialidade do delito, além da necessidade de garantir a ordem pública e a instrução criminal adequada.

"Eventuais dúvidas acerca da correção do acórdão devem ser remetidas ao momento de apreciação do mérito do presente habeas corpus. Não se percebem, portanto, os requisitos para a concessão do pedido liminar, já que ausente constrangimento ilegal verificado de plano. Fica reservada ao órgão competente a análise mais aprofundada da matéria por ocasião do julgamento definitivo", afirmou.

O relator do habeas corpus na Quinta Turma será o ministro Reynaldo Soares da Fonseca.

Com informações do Superior Tribunal de Justiça (STJ).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca Definição...

Marcas Notoriamente Conhecidas: Proteção e Exemplos no Brasil

No mundo dos negócios, algumas marcas alcançam um nível de reconhecimento tão alto que se tornam notoriamente conhecidas. Essas marcas gozam de uma proteção especial, mesmo que não estejam registradas em todas as classes de produtos ou serviços. Este artigo aborda o conceito de marcas notoriamente conhecidas, a proteção legal conferida a elas no Brasil e exemplos de marcas que se enquadram nessa categoria.

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.