Programa de privatizações do governo inclui Casa da Moeda

Data:

Programa de privatizações do governo inclui Casa da Moeda | Juristas
Créditos: Freepik Company S.L.

A Casa da Moeda participará do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) e será incluída no Programa Nacional de Desestatização (PND). O decreto publicado nesta terça-feira no Diário Oficial da União (DOU), assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, ainda determina que o BNDES será responsável por acompanhar e executar os atos necessários para a venda da empresa.

A empresa, fundada em 1694 para melhorar a circulação de moedas no Brasil (o dinheiro vinha de Portugal), está situada na Zona Oeste do Rio de Janeiro e possui capacidade instalada para produzir aproximadamente 2,6 bilhões de cédulas e quatro bilhões de moedas por ano.

A diretoria da Casa da Moeda encomendou um estudo à FGV, que mostrou que a companhia está no penúltimo lugar em um ranking de 17 empresas do mesmo setor de diferentes países. Na pesquisa, também ficou demonstrado que o principal cliente da empresa, o Banco Central, gastaria menos ao comprar cédulas e moedas no mercado internacional. 

Em agosto, foi apresentada uma lista com 17 empresas que o governo pretende privatizar. Nela, já estava incluída a Casa da Moeda, ao lado de Correios, Telebras e Eletrobras, entre outras. No início deste mês, Salim Mattar, secretário especial de Desestatização do Ministério da Economia, afirmou que é possível que o governo aplique um rito acelerado aos processos de privatizações, ocasionado muitas vendas de estatais até 2021.

Fonte: O Globo

Ezyle Rodrigues de Oliveira
Ezyle Rodrigues de Oliveira
Produtora de conte

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Banco Inter deve indenizar cliente por compras em cartão de crédito furtado fora do país

A 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal confirmou uma decisão que obriga o Banco Inter S/A a indenizar um cliente devido à negativação de seu nome após compras realizadas com um cartão de crédito furtado. A sentença determinou a anulação de um débito no valor de R$ 6.382,91, o cancelamento de empréstimos automáticos realizados na fatura, a exclusão do nome do consumidor dos registros de proteção ao crédito e o pagamento de uma indenização de R$ 5 mil por danos morais.

Justiça mantém suspensão de repasse de indenização da Petrobras ao Governo do Paraná

A Justiça Federal decidiu manter, temporariamente, a suspensão do repasse da indenização da Petrobras para o FEMA - Fundo Estadual do Meio Ambiente, seguindo uma determinação do Ministério Público do Estado do Paraná. Essa medida está relacionada a uma ação civil pública que tratou do vazamento de petróleo da Repar (Refinaria Presidente Getúlio Vargas) em Araucária, ocorrido em 18 de julho de 2000.

Justiça nega liminar a estudante que alegou superdotação para ingressar na universidade sem ensino médio

A Justiça Federal indeferiu um pedido liminar feito por uma estudante do segundo ano do Ensino Médio que havia sido aprovada no vestibular de Medicina da UFSC. A decisão foi proferida pelo juiz Rafael Selau Carmona, da 3ª Vara Federal de Florianópolis, que citou a necessidade objetiva da conclusão do nível anterior ao universitário para o ingresso na instituição.

Farmácia de manipulação tem pedido negado para nomear fórmulas em rótulos de produtos

A 3ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP)confirmou a sentença da 2ª Vara da Fazenda Pública de Piracicaba, proferida pelo juiz Maurício Habice, que negou um mandado de segurança impetrado por uma farmácia de manipulação contra a proibição de nomear as fórmulas de seus produtos manipulados nos rótulos.