STF inspaciona desintrusão da Terra Indígena Trincheira-Bacajá (PA)

Data:

demarcação de terras
Créditos: Phototreat
| iStock

Uma missão oficial liderada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), com representantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e da Presidência da República, esteve em operação no último dia 4 para inspecionar o progresso da desintrusão da Terra Indígena (TI) Trincheira-Bacajá, localizada no estado do Pará (PA). Durante a visita, foram realizados sobrevôos em áreas-chave da reserva e reuniões com líderes indígenas do povo Xikrin.

A área inspecionada atualmente está livre da presença de madeireiras, garimpos e pecuaristas ilegais. As equipes envolvidas na operação de desintrusão continuam trabalhando na remoção de estruturas remanescentes e na obstrução de acessos clandestinos à TI. Propostas e sugestões para a reocupação do território invadido e para melhorias na saúde indígena foram discutidas, em conformidade com a decisão do presidente do STF, ministro Luís Roberto Barroso, na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 709.

Eleições Municipais - Luís Roberto Barroso
Créditos: Reprodução do Youtube - SBT Jornalismo

A missão oficial, organizada pela Presidência do STF, ocorreu entre os dias 2 e 5 de fevereiro e contou com a participação de representantes da Advocacia-Geral da União (AGU), da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai), além de policiais judiciais e equipes de segurança.

Na aldeia Mrotidjãm, líderes de 35 aldeias do povo Xikrin receberam a comitiva. Eles expressaram gratidão pela solução do conflito territorial conduzida pelo STF e solicitaram apoio contínuo para proteger e monitorar a TI. Entre os pedidos, destacaram a construção de bases operacionais para evitar o retorno de invasores, o cumprimento de compensações ambientais provenientes da construção da usina de Belo Monte, e iniciativas para melhorar a saúde indígena.

A especialista em indigenismo da Funai, Lumara Martins, ressaltou a importância do cumprimento da ADPF 709 para a garantia dos territórios indígenas. Por sua vez, a juíza auxiliar do CNJ, Lívia Peres, destacou a relevância da articulação interinstitucional para lidar com os problemas enfrentados na Amazônia.

O próximo desafio é implementar medidas que assegurem a sustentabilidade da desintrusão, evitando a reintrodução de invasores após a saída das forças de segurança. O STF está trabalhando para fornecer segurança jurídica e garantir que não haja retorno à terra indígena, além de determinar o abate do gado encontrado na TI e a destruição de equipamentos de terceiros, quando necessário.

Com informações do Supremo Tribunal Federal (STF).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

TJSP mantém condenação de acusados que aplicavam golpe em locadora de veículos

A 7ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou a decisão da 13ª Vara Criminal da Capital, sob a juíza Erika Fernandes, que condenou três homens por associação criminosa, com um deles também condenado por estelionato, relacionado a um golpe praticado contra uma locadora de veículos. As penas impostas, variando entre um e dois anos de reclusão, foram convertidas em medidas alternativas, incluindo prestação pecuniária e serviços comunitários.

Tribunal nega devolução em dobro após depósito realizado por engano

A 2ª Vara Cível de Araraquara julgou um caso envolvendo a devolução de R$ 37 mil que foram depositados por engano em uma empresa após um contrato de securitização de ativos empresariais. Após o acordo, a empresa não mais gerenciava os ativos, mas recebeu indevidamente o depósito de uma devedora. A empresa devolveu o dinheiro 14 dias após o depósito, mas apenas depois que a ação foi ajuizada, o que levou a autora a pedir a devolução em dobro, alegando retenção indevida do montante.

Estado indenizará estudante trans depois de ofensas de professor

A Vara da Fazenda Pública de Guarujá condenou o Estado de São Paulo a pagar uma indenização por danos morais no valor de R$ 8 mil a uma estudante trans, devido a comentários ofensivos feitos por um professor sobre a comunidade LGBT em sala de aula. Além disso, foi estabelecido um pagamento de R$ 800 por danos materiais, referente aos custos com tratamento psicológico que a estudante teve após o incidente.

Ré é condenada por uso de embalagem similar ao da concorrente

A 5ª Vara Cível de Barueri condenou uma empresa do ramo alimentício por praticar concorrência desleal ao comercializar geleias em potes e embalagens muito parecidos com os de uma marca concorrente. A decisão judicial ordenou que a empresa ré cessasse o uso desses produtos e determinou o pagamento de uma indenização por danos materiais, cujo montante será definido na fase de liquidação do processo.