TRF5 confirma fornecimento de medicamento a paciente com câncer de pulmão

Data:

Hidroxicloroquina
Imagem meramente ilustrativa - Créditos: BackyardProduction / iStock

A Quinta Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) decidiu por unanimidade manter a decisão da 32ª Vara Federal de Pernambuco garantindo o fornecimento do medicamento Pembrolizumabe (Keytruda) a uma paciente diagnosticada com câncer de pulmão. A Corte atendeu parcialmente aos recursos do Governo do Estado de Pernambuco e da União Federal, determinando apenas que a paciente apresente um novo receituário médico, com validade de 90 dias, a cada solicitação. O Estado de Pernambuco será responsável pela execução da decisão, sem prejuízo de eventual compensação financeira por parte da União.

No recurso (0801235-41.2022.4.05.8303), o Governo de Pernambuco argumentou que a responsabilidade deveria recair sobre a União, mencionando a existência de um substituto terapêutico disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e defendendo a necessidade de avaliações periódicas da condição de saúde da paciente. Por sua vez, a União contestou a imprescindibilidade do tratamento, citando alternativas disponíveis no SUS e destacando a importância da análise dos protocolos e decisões da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (CONITEC).

medicamento para paciente com câncer
Créditos: Darwin Brandis | iStock

Para a relatora do processo, desembargadora federal Joana Carolina, ficou evidenciada a necessidade do medicamento solicitado, considerando a ineficácia da alternativa terapêutica oferecida pelo SUS, conforme constatado no laudo médico emitido pelo profissional assistente da paciente. Segundo a magistrada, o tratamento com o medicamento em questão é o mais indicado, especialmente diante da progressão da doença e do histórico de tratamento da paciente com outros quimioterápicos disponíveis no SUS.

A desembargadora ressaltou ainda que, segundo o julgamento do Tema 793 pelo Supremo Tribunal Federal (STF), os entes federativos são solidariamente responsáveis em demandas relacionadas à prestação de serviços de saúde, cabendo à autoridade judicial direcionar a execução conforme as competências estabelecidas e determinar o ressarcimento da parte que arcar com os custos financeiros.

TRF3 determina que SUS forneça medicamento de alto custo a paciente portadora da Doença de Fabry
Créditos: Andrey_Popov / Shutterstock.com

Joana Carolina lembra ainda que o pleito atende a um direito constitucional. ”O direito fundamental à saúde, corolário do próprio direito à vida, representa uma das mais relevantes faces do princípio da dignidade da pessoa humana, compondo, justamente em razão disso, o mínimo existencial de todo e qualquer indivíduo, motivo pelo qual o Estado deve buscar, incessantemente, a sua plena concretização”, salientou a magistrada.

Com informações do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca Definição...

Marcas Notoriamente Conhecidas: Proteção e Exemplos no Brasil

No mundo dos negócios, algumas marcas alcançam um nível de reconhecimento tão alto que se tornam notoriamente conhecidas. Essas marcas gozam de uma proteção especial, mesmo que não estejam registradas em todas as classes de produtos ou serviços. Este artigo aborda o conceito de marcas notoriamente conhecidas, a proteção legal conferida a elas no Brasil e exemplos de marcas que se enquadram nessa categoria.

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.