Remover funcionário de cargo de confiança é lícito, segundo TST

91
Gerente foi destituído do cargo em Porto Seguro (BA) após ajuizar ação contra Embasa Remover funcionário de cargo de confiança é lícito e, portanto, a medida pode ser tomada sem gerar prejuízos judiciais à empresa. O entendimento é da 4ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST). A corte reformou decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (TRT5). Créditos: izzetugutmen | iStock A decisão é importante para definir processo movido por gerente contra a Empresa Baiana de Águas e Saneamento S.A. (Embasa). O funcionário foi transferido de Porto Seguro, no litoral baiano, para a cidade de Eunápolis. Junto com a mudança, ele foi informado que perderia o cargo de gerente de unidade. Para o trabalhador a decisão foi tomada como perseguição e vingança, pois um dia antes ele ajuizou uma ação trabalhista contra a Embasa. O TRT5 decidiu anular a transferência e determinou que o funcionário voltasse a ocupar o papel de gerente. Saiba mais: a No análise do recurso, o TST julgou procedentes os argumentos da Embasa. Para a corte, o ocupante de cargo de confiança não tem passe livre contra remoção. Citando o artigo 468, parágrafo 1º, da CLT, o colegiado afirmou que a medida não

Este conteúdo é restrito para usuários cadastrados do site e é GRÁTIS. Cadastre-se GRATUITAMENTE e tenha acesso já ao conteúdo. Se já for cadastrado, faça o login. Para novos usuários basta preencher o cadastro.

Login de usuários cadastrados