Juiz federal anulou parcialmente uma questão de Direito do Trabalho do 30º Exame de Ordem

31

Exame de Ordem - OABQuando existe elementos objetivos demonstrando que a resposta adotada pela banca examinadora do exame diverge do ordenamento jurídico, é justificável a anulação de questão de prova.

Desta forma, o juiz substituto da 16ª Vara Federal Cível do Distrito, Federal Gabriel Zago C. Vianna de Paiva, anulou, em caráter liminar, uma questão de Direito do Trabalho no 30º Exame de Ordem da OAB. O exame de ordem foi realizado no ano passado.

A anulação foi pedida pelo Movimento Nacional dos Bacharéis de Direito, em mandado de segurança contra o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

A questão apresentada no 30º Exame de Ordem da OAB é a seguinte:

4. Percival é dirigente sindical e, durante o seu mandato, a sociedade empresária alegou que ele praticou falta grave e, em razão disso, suspendeu-o e, 60 dias após, instaurou inquérito judicial contra ele. Na petição inicial, a sociedade empresária alegou que Percival participou de uma greve nas instalações da empresa e, em que pese não ter havido qualquer excesso ou anormalidade, a paralisação em si trouxe prejuízos financeiros para o empregador.

Considerando a situação apresentada, os ditames da CLT e o entendimento consolidado dos Tribunais, responda aos itens a seguir.
A) Caso você fosse contratado por Percival para defendê-lo, que instituto jurídico preliminar você apresentaria? (Valor: 0,65)
B) Que tese de mérito você apresentaria, em favor de Percival, na defesa do inquérito? (Valor: 0,60)

A resposta oficial ao item “a” é que “a tese a ser apresentada é a de que ocorreu decadência, porque, entre a suspensão e a instauração do inquérito, o prazo máximo é de 30 dias, conforme prevê o artigo 853 da CLT e Súmula 403 do STF, que não foi respeitado”.

“Ocorre que, do ponto de vista técnico, a decadência é matéria de mérito (artigo 487, II, do CPC)”, afirmou o juiz federal, “não se inserindo no rol de institutos jurídicos preliminares (art. 337 do CPC), embora deva ser apresentada de forma introdutória, como questão prejudicial”. 

“Assim, pode-se afirmar que há elementos objetivos a demonstrar que a resposta adotada pela banca encontra-se em dissonância com o ordenamento jurídico pátrio, extrapolando, assim, os limites do edital, e deixando, inclusive, o item sem resposta. Em tal cenário, é cabível a anulação do item ‘a'”, prosseguiu, na decisão.

A entidade também tentava, no mandado de segurança, anular uma questão de Direito Constitucional e outra de Direito Civil, no entanto, o juiz federal negou os dois pleitos.

Outro lado

“A OAB vai recorrer da decisão por entender que o gabarito divulgado inicialmente não fere o ordenamento jurídico pátrio e respeita o que está estabelecido no edital do 30º Exame de Ordem. Além disso, a entidade abriu prazo para manifestação de recurso administrativo por parte de todos os examinandos. Os prazos foram cumpridos e não houve prejuízo aos candidatos. Todos os recursos foram analisados e respondidos, no prazo do edital, pela banca responsável pela prova.”

Clique aqui para efetuar o download do inteiro teor da decisão.

Processo: 1005693-64.2020.4.01.3400

(Com informações do Consultor Jurídico)


Clique aqui para acompanhar as postagens do Portal Juristas via Telegram.

DEIXE UMA RESPOSTA