Aplicativo que orienta mulher vítima de violência tem novas funcionalidades

14
seguraça nacional
Créditos: Sitthiphong | iStock

O Aplicativo Nísia, do Tribunal de Justiça de Pernambuco – TJPE, criado para facilitar o acesso a informações processuais por mulheres vítimas de violência doméstica recebeu uma nova funcionalidade, a Carta da Mulheres.

A partir de agora, não apenas vítimas, mas qualquer pessoa interessada em ajudar pode obter orientações da Coordenadoria da Mulher. O objetivo é ampliar os meios de proteção a mulheres e facilitar o acesso dessas vítimas ao sistema de Justiça.

Agora, as informações podem ser prestadas dentro do App Nísia. Além de um formulário para o registro do relato, o usuário conta com orientações sobre os procedimentos legais para cada tipo de caso. Toda a comunicação efetuada no canal é sigilosa. A nova versão já está disponível nas lojas App Store e Google Store.

Para a gestora da Unidade de Negócio Judicial da Setic, Cintia Buarque, o principal objetivo para a inserção do Carta de Mulheres no aplicativo Nísia é facilitar e ampliar o acesso das vítimas ao formulário de relatos do canal. “Antes as mulheres precisavam se deslocar até as varas para obter informações de seus processos, ou para tirar dúvidas sobre procedimentos legais de uma forma geral. Com o aplicativo, todas elas conseguem fazer isso de qualquer lugar, bastando apenas terem um celular e uma conexão com a internet”, afirmou.

Lançado em 7 de agosto, o App homenageia a educadora, poetisa e ativista política Nísia Floresta Brasileira Augusta, pseudônimo de Dionísia Gonçalves Pinto, que nasceu em 1810, na cidade Papari, atualmente intitulada de Nísia Floresta, no Rio Grande do Norte. A nordestina Nísia Floresta viveu em diferentes estados do país e na Europa, onde foi considerada como uma das primeiras feministas brasileiras.

Com informações do Conselho Nacional de Justiça – CNJ.

DEIXE UMA RESPOSTA