Ciberterrorismo: a nova tática de guerra do século XXI

Data:

Cybersecurity
Créditos: Tero Vesalainen / iStock

O mês de outubro é assinalado na União Europeia, há 10 (dez) anos, como o mês da Cibersegurança, contudo, o conceito de ciberterrorismo ganhou destaque muitos anos antes, após o fatídico dia que mudou o mundo e nunca mais nada voltou a ser o que era – o 11 de setembro de 2001. Para além de todo o terror que este dia significou para todo o mundo, expôs também as várias ameaças que estamos todos subjacentes face à cibersegurança neste novo mundo cibernético.

À data de hoje, um dos focos da agenda mediática é justamente, a segurança nacional em todas as vertentes, sendo que várias empresas privadas investiram largamente em especialistas e tecnologia para combaterem os perigos iminentes que este novo paradigma digital nos veio obrigar a saber conviver social e profissionalmente. Mais do que nunca, a comunidade cibercriminosa tem vindo a desenvolver mecanismos cada vez mais sofisticados para aceder a informações pessoais através de, cada vez mais, ataques direcionados a pessoas assente na fragilidade do fator humano. Estando os sistemas financeiros, militares e governativos interligados mais do que nunca, acrescido do facto de termos passado a viver numa “sociedade interconectada em rede” de forma contínua, acredito que o ciberterrorismo se afigura como a principal ameaça da nossa atualidade.

O ciberterrorismo, como a própria denominação indica, é a combinação entre o terrorismo e o ciberespaço. O propósito do ciberterrorismo passa por intimidar um governo, a sociedade civil ou outro tipo de entidades através de ataques dirigidos a redes, sistemas, informação ou pessoas utilizando veículos digitais. Apesar do ciberterrorismo, ao nível da violência física direta, não constituir uma ameaça, é inevitável que cause impactos psicológicos significativos na sociedade e nas populações – principalmente por ser um tipo de terrorismo amplamente desconhecido e no qual há uma grande falta de (des)informação. Ainda assim, e através também de ações de ciberterrorismo, será expectável ataques direcionados a infraestruturas (potencialmente categorizadas como “críticas”) que venham a causar violência e impacto físico direto sobre pessoas. Para além da enorme abrangência de potenciais vítimas e impactos, levanta-se a questão primordial deste tipo de ações passarem a constituir uma ameaça enorme, com consequências graves, para as democracias neste novo paradigma (cada vez mais) digital.

Para lidarmos de forma eficaz com o ciberterrorismo, é essencial não só criarmos leis – atuais e modernas - para chamarmos à justiça os responsáveis, assim como implementar procedimentos para que os vários agentes (forças policiais, por exemplo) possam analisar de forma precisa e em tempo útil a (real) ameaça cibernética. É fundamental capacitar as autoridades de ferramentas (e conhecimento) para o constante controlo e monitorização da deepweb/darkweb (identificação de leaks), análise de riscos de cibersegurança das infraestruturas críticas, profiling de determinados indivíduos através de técnicas de humint, deteção e defesa de ciberataques e a monitorização e supervisão contínua de determinados grupos cibercriminosos.

Em Portugal, estamos a caminhar (embora muito devagar) para conseguir dar respostas nesta área. No passado dia 20 de outubro, foi aprovada, em Conselho de Ministros, a Estratégia Nacional de Ciberdefesa, baseada em várias diretrizes, as quais visam “incrementar a nossa resiliência e soberania”, como refere Helena Carreiras, Ministra da Defesa Nacional de Portugal. A estratégia envolve a criação de uma escola de ciberdefesa para promoção da investigação, desenvolvimento e inovação do ciberespaço - algo que considero imprescindível uma vez que é necessário aumentar as qualificações em matéria de cibersegurança e sensibilizar os cidadãos para a importância de nos mantermos (ciber)seguros.

Não obstante, o país ainda não está devidamente preparado para responder de forma positiva e eficaz a uma ameaça cibernética. Devido ao envelhecimento da nossa população existem níveis muito elevados de falta de literacia digital nesta matéria e, portanto, de preparação e prevenção deste problema do século XXI. Numa sociedade democrática, com valores liberais e com respeito pelas liberdades e garantias, temos de assimilar que, atualmente, a guerra já não se faz somente com o armamento convencional. A guerra cibernética é uma das mais perigosas formas de guerra de todos os tempos e devemos fazer tudo o que está ao nosso alcance para sobreviver e tornarmo-nos cada vez mais (ciber)conscientes.

Cibersegurança
Créditos: Suebsiri / iStock
Bruno Castro
Bruno Castro
Bruno Castro, Fundador e CEO da VisionWare – Sistemas de Informação SA. Licenciado em Engenharia Eletrotécnica desde 2000, pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, e Mestre em Engenharia Informática (Segurança Informática), pela mesma faculdade, no ano seguinte. Especialista nas temáticas da Segurança da Informação, Cibersegurança e Investigação Forense. Está credenciado NATO-SECRET e EU-SECRET, e faz parte do grupo de auditores de segurança credenciado pelo Gabinete Nacional de Segurança.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Guia completo para registrar marca sozinho no INPI

Descubra como proteger seu negócio com nosso guia completo para registrar marca sozinho no INPI. Passo a passo simplificado e eficaz.

Como Recorrer de Multas de Trânsito no Brasil

Aprenda a contestar multas e entender o sistema de pontos na CNH no Brasil. Siga nosso guia completo sobre como recorrer de multas de trânsito.

Impacto das Redes Sociais na Proteção de Marcas

Nos últimos anos, as redes sociais se tornaram uma parte integral das estratégias de marketing e comunicação das empresas. Com bilhões de usuários ativos, plataformas como Facebook, Instagram, Twitter, LinkedIn e TikTok oferecem oportunidades incomparáveis para a promoção de marcas.

Estratégias de Rebranding: Quando e Como Redefinir sua Marca

Rebranding é uma estratégia de marketing utilizada por empresas para renovar sua imagem, identidade ou posicionamento no mercado. Seja para revitalizar uma marca envelhecida, corrigir percepções negativas ou alinhar-se com novas direções estratégicas, o rebranding pode ser uma ferramenta poderosa.