Acordos garantem R$ 1,1 milhão em indenização a funcionários da JBS

Data:

Delação Premiada da JBS - Edson Fachin
Créditos: Epitavi / iStock.com

Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região (TRT-24) realiza desde a segunda-feira (07), a Semana Regional de Conciliação Trabalhista, em todo o estado do Mato Grosso do Sul. A JBS foi parte em 14 audiências, o que resultou em 11 acordos que garantiram R$ 1.116.879,72 em indenização aos trabalhadores.

Segundo a representação juridica da JBS, foram avaliados os riscos e oferecidas propostas que agradaram os trabalhadores e a resolução de cada caso foi o esperado. "Tanto a empresa como o escritório tem buscado e priorizado a conciliação e a celeridade nos processos. Estamos muito felizes com os resultados obtidos na Semana Regional de Conciliação", concluiu o advogado Fernando Friolli.

Conforme o TRT-24, no aspecto geral, já foram realizadas 385 audiências que resultaram em 176 acordos. Somente na terça-feira (08), segundo dia da Semana de Conciliação, foram revertidos mais de R$ 4,5 milhões para trabalhadores sul-mato-grossenses, colocando fim à espera e solucionando o processo judicial.

Muito além dos números arrecadados, as conciliações realizadas significam a solução de processos de grande complexidade, envolvendo temas como doenças ou acidentes de trabalho.

O advogado Marcos Ávila Correa representou três reclamantes em processos com execução provisória: processos estavam aguardando julgamento de recursos das partes no TST. Para o advogado, "as negociações foram excelentes e atingiram as conclusões dos litígios".

Para o advogado Fernando Friolli, representante de empresas que estão entre as maiores litigantes e com quase cem processos pautados durante a SRCT, entre elas, a JBS, a Semana de Conciliação deu agilidade aos processos. "A tentativa de conciliar é a premissa principal da Justiça do Trabalho. Acho importante e louvável poder participar e poder participar bem. O acordo é abrir mão: ambas as partes cedem um pouco para chegarem a um consenso", destacou.

Para o Juiz Bóris Luiz Cardozo de Souza, titular da Vara do Trabalho de Naviraí e supervisor da pauta, as audiências foram muito exitosas, as partes estavam tranquilas e colaborativas. "As empresas trouxeram propostas bem efetivas e os reclamantes, muito bem assessorados por seus advogados, tiveram a sensibilidade de entabular os acordos para que o processo chegasse ao fim da maneira mais rápida", pontuou.

Com informações do UOL.


Fique por dentro de tudo que acontece no mundo jurídico no Portal Juristas, siga nas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Linkedin. Adquira sua certificação digital e-CPF e e-CNPJ na com a Juristas Certificação Digital, entre em contato conosco por email ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.