Audiências on-line permitem que bebês sejam reconhecidos por pais na Europa

Data:

Pai e Filho
Créditos: VitalikRadko Depositphotos

Um programa chamado "Pai Presente", executado pela Corregedoria-Geral do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) no Brasil, conseguiu recentemente nove reconhecimentos de paternidade, sendo dois internacionais, um de Lisboa, Portugal e outro de Londres, REINO UNIDO.

O programa oferece uma forma simples e dinâmica de reconhecer as crianças, mesmo que o pai esteja longe, por meio de recursos digitais. Os pais reconheceram seus bebês voluntariamente e ficaram surpresos com a facilidade e rapidez do processo. O programa é elogiado por ser ágil, sério e comprometido, e por dar o suporte necessário para atender em qualquer caso de reconhecimento de paternidade.

Em algumas situações excepcionais, como quando a mãe é falecida ou ausente, ou se o pai é menor de idade ou estrangeiro, pode ser necessário um teste de DNA para reconhecimento de paternidade.

Com informações do Tribunal de Justiça de Goiás- (TJGO)

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.