Depois de negar sanção, Bolsonaro assina lei que anistia partidos políticos

Data:

Siglas seriam punidas por não destinarem os valores previstos em lei a candidaturas femininas

O presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionou nesta sexta-feira (17/5) uma lei que anistia partidos que não tiverem cumprido suas obrigações quanto ao financiamento e promoção de candidaturas femininas. A sanção da Lei 13.831/19 foi publicada nesta segunda-feira (20/5) no Diário Oficial da União, apesar de o presidente ter desmentido a assinatura ao longo do fim de semana.

justiça
Créditos: Xtock Images | iStock

O projeto de lei havia sido aprovado pelo Congresso no mês passado, e faz alterações na Lei 9.096/95 (Lei dos Partidos Políticos).

Agora, os partidos políticos não poderão ser punidos caso não tenham cumprido a cota de um mínimo de 5% do total do financiamento eleitoral para candidaturas femininas.

O prazo para a aplicação de multas para as eleições de 2018 terminava na sexta-feira. Eles também não poderão ter suas contas rejeitadas, mas ficam obrigados a usar quaisquer saldos em conta para a promoção da difusão e participação de mulheres na política.

Saiba mais:

Veto

O presidente ainda vetou o artigo 55-D da lei. O texto define que "as disposições desta Lei terão eficácia imediata nos processos de prestação de contas e de criação dos órgãos partidários em andamento". A abrangência dessa regra alcançaria ações julgadas que não tenham transitado em julgado. No entanto, o Diário Oficial da União não informa as razões do veto.

Mulheres

A candidatura de mulheres se tornou um problema para o partido de Bolsonaro, o PSL. A sigla é acusada de usar candidatas “laranja” para cumprir cotas. Em Minas Gerais, ao menos cinco mulheres já vieram a público acusar o atual ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio - dirigente do diretório mineiro durante as eleições -, de cobrar a devolução de até 90% dos repasses de campanha das candidatas mineiras do partido.

Há denúncias também em outros estados e outros partidos.

Clique aqui para ler o texto completo da Lei

Caio Proença
Caio Proença
Jornalista pela Cásper Líbero. Trabalhou em O Diário do Pará, R7.com, Estadão/AE e Portal Brasil.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

TJSP mantém condenação de acusados que aplicavam golpe em locadora de veículos

A 7ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou a decisão da 13ª Vara Criminal da Capital, sob a juíza Erika Fernandes, que condenou três homens por associação criminosa, com um deles também condenado por estelionato, relacionado a um golpe praticado contra uma locadora de veículos. As penas impostas, variando entre um e dois anos de reclusão, foram convertidas em medidas alternativas, incluindo prestação pecuniária e serviços comunitários.

Tribunal nega devolução em dobro após depósito realizado por engano

A 2ª Vara Cível de Araraquara julgou um caso envolvendo a devolução de R$ 37 mil que foram depositados por engano em uma empresa após um contrato de securitização de ativos empresariais. Após o acordo, a empresa não mais gerenciava os ativos, mas recebeu indevidamente o depósito de uma devedora. A empresa devolveu o dinheiro 14 dias após o depósito, mas apenas depois que a ação foi ajuizada, o que levou a autora a pedir a devolução em dobro, alegando retenção indevida do montante.

Estado indenizará estudante trans depois de ofensas de professor

A Vara da Fazenda Pública de Guarujá condenou o Estado de São Paulo a pagar uma indenização por danos morais no valor de R$ 8 mil a uma estudante trans, devido a comentários ofensivos feitos por um professor sobre a comunidade LGBT em sala de aula. Além disso, foi estabelecido um pagamento de R$ 800 por danos materiais, referente aos custos com tratamento psicológico que a estudante teve após o incidente.

Ré é condenada por uso de embalagem similar ao da concorrente

A 5ª Vara Cível de Barueri condenou uma empresa do ramo alimentício por praticar concorrência desleal ao comercializar geleias em potes e embalagens muito parecidos com os de uma marca concorrente. A decisão judicial ordenou que a empresa ré cessasse o uso desses produtos e determinou o pagamento de uma indenização por danos materiais, cujo montante será definido na fase de liquidação do processo.