Cláusula de perda total de valores pagos proposta pelo próprio comprador é válida

Data:

Cláusula de perda total de valores pagos proposta pelo próprio comprador é válida
Créditos: Fever pitched | iStock

A 3ª Turma do STJ considerou válida uma cláusula penal que previa a perda total dos valores pagos em caso de inadimplência. A cláusula foi proposta pelos próprios compradores, motivo pelo qual a corte utilizou os princípios da boa-fé contratual e da vedação à adoção de comportamento contraditório pelas partes contratantes.

O contrato tinha valor aproximado de R$ 1,6 milhão, dividido em um sinal e duas parcelas. Os compradores apresentaram dificuldades para pagar as parcelas e propuseram a cláusula por meio de termo aditivo ao contrato, reconhecendo a dívida e assumindo o compromisso de quitá-la. 

A inadimplência após término do prazo acertado fez com que os vendedores rescindissem o contrato com o acionamento da cláusula penal. 

Na primeira instância, o juiz declarou a nulidade da cláusula e determinou a restituição das quantias pagas pelos compradores, descontados o sinal, a multa contratual e os valores dispendidos a título de intermediação do negócio. O TJ-DFT reformou a sentença para validar a cláusula de perda integral dos valores pagos, baseando-se em SMS enviada por um dos compradores ao corretor de imóveis com texto que sugeria a inclusão da cláusula penal no termo aditivo.

No recurso ao STJ, os compradores disseram que a sugestão foi feita em situação de necessidade e para assegurar o patrimônio já investido. O relator, ministro Villas Bôas Cueva, disse que no caso não se verifica o defeito ou o vício do negócio jurídico conforme o artigo 156 (configuração do estado de perigo), pois os compradores não assumiram a obrigação para salvar a si ou a sua família. 

No mesmo sentido, afastou a lesão prevista no artigo 157 para situações em que uma pessoa, por necessidade ou inexperiência, obriga-se a prestação desproporcional ao objeto de negócio, por faltar a presença simultânea do elemento objetivo (desproporção das prestações) e subjetivo (inexperiência ou a premente necessidade).

E afirmou: "No caso dos autos, por se tratar de compromisso de compra e venda celebrado de forma voluntária entre particulares que, em regra, estão em situação de paridade, é imprescindível que os elementos subjetivos da lesão sejam comprovados, não se admitindo a presunção de tais elementos. Entendimento em sentido contrário poderia incentivar a parte a assumir obrigações que sabe serem excessivas para depois pleitear a anulação do negócio jurídico".

Por fim, ressaltou que as relações contratuais devem ser mantidas com confiança e lealdade. Em sua visão, a invalidade da cláusula penal estabelecida "implicaria ratificar a conduta da parte que não observou os preceitos da boa-fé em todas as fases do contrato, o que vai de encontro à máxima do 'venire contra factum proprium'".

Processo: REsp 1723690

(Com informações do Superior Tribunal de Justiça)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Arquiteta é condenada por não concluir reforma em apartamento de cliente

A 3ª Vara Cível da Comarca de Natal, no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), proferiu sentença condenando uma arquiteta, prestadora de serviços de reforma em imóveis, ao pagamento de indenização por danos materiais de R$ 74.805,00, acrescidos de multa contratual estipulada em R$ 22 mil, em razão da não conclusão, no prazo acordado, da obra em um apartamento de um cliente. Além disso, a profissional foi condenada a pagar uma indenização por danos morais em favor do autor no valor de R$ 10 mil.

A primeira turma do STF decide tornar réus sete integrantes da antiga cúpula da PMDF por omissão em atos antidemocráticos

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria para tornar réus sete integrantes da antiga cúpula da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), todos suspeitos de omissão durante os atos antidemocráticos de 8 de janeiro de 2023, quando as sedes dos Três Poderes foram invadidas e depredadas. A sessão de julgamento, que é virtual, está prevista para durar até 20 de fevereiro. Os ministros Cristiano Zanin e Cármen Lúcia seguiram o voto do relator, Alexandre de Moraes. Falta o voto do ministro Luiz Fux.

STF inspaciona desintrusão da Terra Indígena Trincheira-Bacajá (PA)

Uma missão oficial liderada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), com representantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e da Presidência da República, esteve em operação no último dia 4 para inspecionar o progresso da desintrusão da Terra Indígena (TI) Trincheira-Bacajá, localizada no estado do Pará (PA). Durante a visita, foram realizados sobrevôos em áreas-chave da reserva e reuniões com líderes indígenas do povo Xikrin.

Dupla é condenada por saída do país com dinheiro não declarado à Receita Federal

A 7ª Vara Federal de Porto Alegre emitiu sentença, no dia 6 de fevereiro, condenando dois indivíduos pelo crime de evasão de divisas. Ambos foram flagrados transportando dinheiro em espécie para fora do país sem declará-lo à Receita Federal.