Coco Bambu perde processo e restaurante cearense pode servir "camarão internacional"

Data:

Coco Bambu perde processo e restaurante cearense pode servir "camarão internacional" | Juristas
Créditos: Jiri Hera / Shutterstock.com

A juíza da 21ª Vara Cível de Fortaleza, Lucimeire Godeiro Costa, concedeu tutela provisória para que o restaurante cearense "Espaço Gostoso" venda e anuncie em seus sites e redes sociais imagens do prato “camarão internacional”. A magistrada determinou ainda, que a rede Coco Bambu se abstenha de criar qualquer embaraço ao cumprimento da decisão, sob pena de aplicação de multa que pode chegar a R$ 50 mil.

No processo (0206682-44.2020.8.06.0001), o requerente, Restaurante espaço Gostoso, diz atuar no ramo há cerca de 10 anos e afirma produzir e comercializar em seu estabelecimento o prato denominado "Camarão Internacional", cuja autoria a Coco Bambu afirma ser dela, tendo por isso notificado o requerente.

Com a alegação de afronta à Lei de Propriedade Industrial por violação de trade dress (características da aparência visual de um produto ou de sua embalagem), a rede Coco Bambu acusa o restaurante de concorrência desleal, plágio de marca e cópia de um prato.

O estabelecimento respondeu as notificações recebidas e decidiu acionar a Justiça, para ter declarada a inexistência de qualquer obrigação referente ao caso.

Ao analisar o pedido, a magistrada apontou que, à primeira vista, os produtos apresentam similaridades, mas não era possível afirmar que se tratava de uma cópia e pediu que fosse feita uma perícia.

Tanto a Coco Bambu quanto o Espaço Gostoso, no entanto, não manifestaram interesse na perícia. Assim, a juíza decidiu a favor do pequeno restaurante cearense.

“Inexiste nos autos a comprovação do registro da marca ‘Camarão Internacional’ por parte da promovida (Coco Bambu), não restando demonstrados os atos de violação de direitos de propriedade industrial e de concorrência desleal alegados”, afirmou a magistrada.

Na defesa da Espaço Gostoso atuou o escritório Cortez & Gonçalves Advogados Associados, que tem como sócios fundadores os advogados Frederico Cortez e Erivelto Gonçalves Jr. Segundo Cortez, "a decisão judicial já era esperada, uma vez que, inexiste na legislação nacional dispositivo legal que discipline a tutela da exclusividade sobre prato culinário. No caso, a ação judicial teve por fundamento o direito da livre iniciativa do trabalho garantido pela Constituição Federal e da ampla concorrência, em par com a lei da propriedade industrial vigente no país. Durante todo o processo não restou caracterizado o trade dress, uma vez que não se pode apontar cópia ou similaridade tão apenas em um único elemento, como foi o caso do nome "camarão internacional". A sentença vem só trazer mais segurança jurídica ao um tema tão complexo e de grande impacto no setor alimentício".

Com informações do Conjur.


Fique por dentro de tudo que acontece no mundo jurídico no Portal Juristas, siga nas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Linkedin. Participe de nossos grupos no Telegram e WhatsApp. Adquira sua certificação digital e-CPF e e-CNPJ na com a Juristas Certificação Digital, entre em contato conosco por e-mail ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000.

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Empresa condenada por uso indevido de marca registrada

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que uma empresa cessasse a venda de roupas que utilizavam indevidamente uma marca registrada por outra empresa do mesmo segmento.

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.