Denilson pede na Justiça bloqueio de renda de Belo em plataforma musicais

Data:

O confusão judicial envolvendo o ex-jogador Denilson e Belo ganhou um novo capítulo, pois ex-jogador entrou com um pedido na Justiça para que a renda do cantor em plataformas musicais seja bloqueada para o pagamento da dívida entre os dois. O pedido foi feito no início do mês de dezembro passado.

De acordo com o advogado de Denilson, Marco Roberto Barreto, explicou que o pedido envolve todas as plataformas que comercializam as músicas de Belo: YouTube, Spotify, Deezer, Apple Music, Amazon Music, entre outros. Todas elas já foram oficiadas com o pedido de retenção de renda.

Diante disso, algumas plataformas já responderam ao pedido à Justiça. Os advogados envolvidos ainda não tiveram acesso às posições oficiais. Após o recesso forense, os prazos processuais do Tribunal de Justiça de São Paulo estão suspensos até dia 20 de janeiro. 

O início desse caso na justiça começou em 200, quando o ex-jogador era empresário da Banda Soweto quando Belo deixou o grupo. Denilson, então, entrou com uma ação por quebra de contrato. Ele venceu na Justiça em 2004, mas ainda não recebeu a indenização que ultrapassa R$ 5 milhões.

Se a Justiça acate o pedido de bloqueio de renda, essa não será primeira derrota de Belo. Em novembro de 2017, a Justiça de São Paulo já havia determinado que as principais emissoras de TV do país (Globo, SBT, Record, Bandeirantes, Gazeta e Rede TV!) deveriam depositar em juízo eventuais cachês que seriam pagos a Belo. Um ano mais tarde, Belo teve o cachê de um show bloqueado para o pagamento da dívida com Denilson.

 

Fonte: UOL

Ezyle Rodrigues de Oliveira
Ezyle Rodrigues de Oliveira
Produtora de conte

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Município de São Paulo deve fornecer transporte gratuito a criança com Síndrome de Down

Por unanimidade, a 3ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve decisão da 4ª Vara da Fazenda Pública da Capital, proferida pelo juiz Antonio Augusto Galvão de França, que condenou o Município de São Paulo e a São Paulo Transporte S/A (SPTrans) a fornecerem transporte gratuito de criança com Síndrome de Down à instituição de educação e desenvolvimento que frequenta.

Mantida multa de R$ 400 mil por omissão de informações em pescado para exportação

A Justiça Federal negou o pedido de uma empresa de pescados de Itajaí (SC) para que fosse anulada uma multa de R$ 400 mil, aplicada pelo Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em denominação de 2017) por omitir informações acerca de produtos destinados à exportação. A sentença da 3ª Vara Federal local, do início deste mês, entendeu que não houve ilegalidade no procedimento da administração.

Empresa de transporte indenizará por danos morais pessoa com deficiência

A 11ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve decisão da 1ª Vara Cível do Foro Regional de Penha da França, proferida pelo juiz Alvaro Luiz Valery Mirra, que condenou empresa de transporte a indenizar passageiro com deficiência que precisou ser carregado por funcionários para embarcar e desembarcar de ônibus, apesar do veículo ter adesivo com o símbolo internacional de acesso. A indenização por danos morais foi reduzida para R$ 10 mil.

Professor da UTFPR deve restituir ao erário mais de R$ 6 mil por inserção de dados falsos em sistema

A juíza federal Marta Ribeiro Pacheco, da 1ª Vara Federal de Guarapuava-PR, homologou um acordo de não persecução cível no qual um professor substituto da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), campus Guarapuava (PR), terá que devolver ao cofre público mais de R$ 6.200,00 (seis mil e duzentos reais).