STF confirma validade da norma do Contran sobre fabricação de placas veiculares

Data:

STF confirma validade da norma do Contran sobre fabricação de placas veiculares | Juristas
Tráfego de veículos sob o Código de Trânsito Brasileiro, que completa 25 anos.
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu a validade de uma norma do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) que estabelece que os serviços de fabricação e estampagem de placas veiculares de identificação serão prestados por meio do credenciamento. A decisão unânime ocorreu na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6313, julgada durante a sessão virtual encerrada em 25 de agosto.

A ADI havia sido apresentada pela Associação Nacional dos Fabricantes de Placas Veiculares (ANFAPV) contra um dispositivo da Resolução 780/2019, que posteriormente foi substituída pela Resolução 969/2022. A ANFAPV alegava, entre outros pontos, que a atuação do Contran ia contra a autonomia dos estados.

STF confirma validade da norma do Contran sobre fabricação de placas veiculares | Juristas
Ministro Alexandre de Moraes participa da sessão extraordinária do STF Foto: Carlos Moura_SCO_STF

O ministro Alexandre de Moraes, relator da ação, explicou em seu voto que existem situações em que a administração pública pode adotar o sistema de credenciamento, criando assim um grupo de possíveis prestadores de serviços para atender ao interesse público. Isso ocorre quando não é viável a competição.

No entanto, o credenciamento deve seguir princípios constitucionais como a impessoalidade, publicidade, moralidade e eficiência, e deve ser sujeito a requisitos estabelecidos para os interessados.

Para o ministro, essa é exatamente a situação na prestação de serviços de fabricação e estampagem de placas. De acordo com informações do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), essa estratégia administrativa universaliza o serviço e proporciona maior comodidade aos cidadãos.

STF - Supremo Tribunal Federal
Créditos: diegograndi / iStock

No que diz respeito à suposta violação da autonomia dos estados, o ministro Moraes destacou que a definição desses serviços está dentro das competências do Contran, que é responsável por estabelecer normas relacionadas a registros, licenciamento e placas veiculares. Além disso, ele enfatizou que a atuação do órgão está legitimada pela competência da União para legislar sobre trânsito e transporte.

O julgamento ocorreu na modalidade virtual, na qual os ministros inserem seus votos no sistema eletrônico do STF sem a necessidade de deliberação presencial. A sessão ficou aberta até 25 de agosto.

Com informações da Agência Brasil e Supremo Tribunal Federal (STF).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Idoso com deficiência tem direito a desconto na passagem de acompanhante

Uma decisão judicial da 3ª Vara Cível da comarca de Lages destaca a violação de direitos e condena uma companhia aérea e um site de viagens a pagar indenização por danos materiais e morais.

TJSP mantém condenação de tutor de pitbull que atacou prestador de serviços

A 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu manter a sentença da 5ª Vara Cível de Ribeirão Preto, proferida pela juíza Roberta Luchiari Villela, que condenou o tutor de um pitbull que atacou um prestador de serviços a indenizar a vítima. A reparação por danos materiais foi mantida em R$ 7 mil, e o ressarcimento por danos morais foi elevado para R$ 6 mil.

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.

Repetitivo discute honorários advocatícios em cumprimento de sentença decorrente de mandado de segurança individual

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), utilizando o rito dos recursos repetitivos (Tema 1.232), está prestes a definir se é viável a fixação de honorários advocatícios na fase de cumprimento de sentença resultante de decisão proferida em mandado de segurança individual, com reflexos patrimoniais.