STJ decide: companhias aéreas devem pagar tarifa de conexão

Data:

fã
Créditos: Art Massa | iStock

A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou a solicitação do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias de isentar as companhias aéreas do pagamento da tarifa de conexão, estabelecida pelo artigo 3º da Lei 6.009/1973 (que está atualmente revogada). Essa tarifa era cobrada como uma contraprestação pela transferência de passageiros em conexões nos aeroportos.

O colegiado considerou que a lei estabelecia claramente a responsabilidade das empresas pelo pagamento da tarifa, e, portanto, não cabia ao Judiciário questionar essa disposição legal expressa.

Companhia Aérea - Atraso de voo
Créditos: DragonImages / iStock

"Na realidade, o que pretende o sindicato é, pela via judicial, alterar o sujeito passivo da cobrança em questão, sendo certo, porém, que a modificação de texto legal deve acontecer na instância própria, qual seja, via processo legislativo em sentido estrito", afirmou o relator do recurso, ministro Gurgel de Faria.

O sindicato ajuizou a ação declaratória em 2013 (1.961.783), antes da revogação do artigo que previa a tarifa de conexão em 2022. Portanto, ainda havia uma controvérsia a ser resolvida quanto à cobrança durante o período em que o dispositivo legal estava em vigor.

O sindicato argumentou que o preço público só poderia ser considerado legítimo se fosse cobrado daqueles que efetivamente se beneficiavam do serviço, o que, segundo eles, não se aplicava às companhias aéreas em relação à conexão aeroportuária. Além disso, destacaram a semelhança entre a tarifa de conexão e a tarifa de embarque, esta última cobrada diretamente dos passageiros.

O ministro Gurgel de Faria enfatizou que o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), ao considerar que as companhias aéreas eram responsáveis pelo pagamento da tarifa de conexão, simplesmente seguiu uma interpretação literal da Lei 6.009/1973.

Azul Linhas Aéreas Brasileiras
Créditos: josephmok | iStock

Ele também mencionou que, nesse caso, o sindicato teria a opção de buscar uma solução por meio da legislação ou alegar potencial violação à Constituição, embora esse último ponto não tenha sido abordado no recurso especial. Se houvesse uma questão constitucional em jogo, a competência para julgá-la recairia sobre o Supremo Tribunal Federal (STF).

"Assim, independentemente da natureza jurídica da cobrança tratada no artigo tido por violado, o fato é que este estabeleceu expressamente que as companhias aéreas seriam o sujeito passivo da exação, não havendo qualquer contrariedade entre o acórdão recorrido e o dispositivo legal a justificar a correção via recurso especial", concluiu o ministro ao negar provimento ao recurso.

Com informações do UOL.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Idoso com deficiência tem direito a desconto na passagem de acompanhante

Uma decisão judicial da 3ª Vara Cível da comarca de Lages destaca a violação de direitos e condena uma companhia aérea e um site de viagens a pagar indenização por danos materiais e morais.

TJSP mantém condenação de tutor de pitbull que atacou prestador de serviços

A 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu manter a sentença da 5ª Vara Cível de Ribeirão Preto, proferida pela juíza Roberta Luchiari Villela, que condenou o tutor de um pitbull que atacou um prestador de serviços a indenizar a vítima. A reparação por danos materiais foi mantida em R$ 7 mil, e o ressarcimento por danos morais foi elevado para R$ 6 mil.

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.

Repetitivo discute honorários advocatícios em cumprimento de sentença decorrente de mandado de segurança individual

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), utilizando o rito dos recursos repetitivos (Tema 1.232), está prestes a definir se é viável a fixação de honorários advocatícios na fase de cumprimento de sentença resultante de decisão proferida em mandado de segurança individual, com reflexos patrimoniais.