CNJ determina exibição de nome social em identificação de processos judiciais

Data:

nome social pessoas trans
Créditos: Filipe Frazão | iStock

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) estabeleceu que nos processos judiciais apenas o nome social de uma pessoa deve ser destacado no cabeçalho, com o intuito de preservar a identidade de gênero e evitar exposição desnecessária. Essa determinação não interfere nos registros internos que continuam a vincular o nome civil e o Cadastro de Pessoas Físicas (CPF). As diretrizes estão previstas no artigo 2º da Resolução CNJ nº 270/2018.

Durante a 2ª Sessão Virtual de 2024 do CNJ, realizada até sexta-feira (1º/3), o conselheiro Marcello Terto, relator da Consulta 0002449-52.2023.2.00.0000 feita pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), compartilhou trechos da normativa em resposta a questionamentos sobre a exibição do nome social nos processos do STJ.

O STJ buscava esclarecimentos sobre a aplicação da resolução relativa ao direito de uso do nome social por pessoas travestis e transexuais nos serviços judiciários. O conselheiro Terto reconheceu a relevância dos questionamentos, ressaltando que o tema já foi objeto de julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 4.275/DF.

Nesse julgamento, o STF concedeu o direito aos transgêneros de alterarem o prenome e o sexo diretamente no registro civil, sem a necessidade de procedimentos médicos específicos. Em consonância com essa decisão, o relator esclareceu que nos processos judiciais, apenas o nome social deve constar no cabeçalho, seguido pelo nome de registro precedido da expressão “registrado civilmente como”, conforme estipulado no artigo 3º da Resolução CNJ nº 270/2018.

O conselheiro também abordou a necessidade de sigilo em caso de alteração do nome civil de pessoas transgênero no registro civil, conforme o Provimento CNJ nº 149/2023. Adicionalmente, orientou sobre a importância da atualização dos processos com o nome social das partes interessadas, garantindo a identificação adequada em todas as instâncias judiciais.

Por fim, o relator instruiu que “caso o nome social seja utilizado nos registros da Receita Federal, ele deve ser aplicado pelo tribunal nos processos sob a sua jurisdição, mantendo em seus bancos de dados a vinculação entre nome civil e CPF, sem prejuízo de que a pessoa interessada seja intimada ou notificada para se manifestar.

O conselheiro Terto ainda lembrou que a alteração de registro civil não se confunde com adoção de nome social. “Para evitar constrangimentos e violação de direitos fundamentais, é imprescindível se garantir que o banco de dados do tribunal ou do seu sistema de processo eletrônico esteja sempre atualizado”, reforçou.

Com informações do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca Definição...

Marcas Notoriamente Conhecidas: Proteção e Exemplos no Brasil

No mundo dos negócios, algumas marcas alcançam um nível de reconhecimento tão alto que se tornam notoriamente conhecidas. Essas marcas gozam de uma proteção especial, mesmo que não estejam registradas em todas as classes de produtos ou serviços. Este artigo aborda o conceito de marcas notoriamente conhecidas, a proteção legal conferida a elas no Brasil e exemplos de marcas que se enquadram nessa categoria.

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.