Multa que Daniel Alves pagará para obter liberdade provisória na Espanha é menor que dois meses de salário que ele recebia

Data:

Multa que Daniel Alves pagará para obter liberdade provisória na Espanha é menor que dois meses de salário que ele recebia | Juristas
Daniel Alves - 2012 em Barcelona, Espanha — Foto de Maxisports

Para garantir sua liberdade provisória, o jogador de futebol Daniel Alves deverá desembolsar a quantia de 1 milhão de euros, aproximadamente R$ 5,5 milhões, à Justiça da Espanha. Embora o valor pareça elevado, corresponde a menos de dois meses dos salários brutos que o atleta brasileiro recebia durante seu auge, quando atuava pelo Barcelona.

Segundo informações do site "Capology", especializado na divulgação das folhas de pagamento dos clubes de futebol, Daniel Alves recebeu cerca de 9,6 milhões de euros, o equivalente a aproximadamente R$ 52 milhões, na temporada 2014/15, o que corresponde a cerca de R$ 4,3 milhões mensais, já considerando a inflação.

Essa quantia não inclui bônus por luvas, premiações por produtividade e contratos de publicidade. As informações foram divulgadas pela coluna de Rafael Reis, no UOL Esporte. Daniel Alves, de 40 anos, teve uma carreira profissional extensa, atuando de 2001 a 2023, quando foi detido. O jogador passou por renomados clubes do futebol mundial, como Barcelona, Juventus, Paris Saint-Germain, São Paulo, Bahia e Pumas. Atualmente, encontra-se sem clube.

Crime de Estupro - Código Penal
Créditos: Indi999 / iStock

Daniel Alves foi detido pela polícia espanhola em 20 de janeiro de 2023, após prestar depoimento à Justiça. Na ocasião, os riscos de fuga e destruição de provas foram considerados para a prisão do jogador.

Além da fiança, a Justiça impôs diversas condições e medidas cautelares. Daniel Alves teve seus dois passaportes - espanhol e brasileiro - apreendidos e recebeu ordens para não se comunicar com a vítima. Além disso, deverá comparecer semanalmente ao Tribunal de Barcelona.

Condenação

Em 22 de fevereiro, Daniel Alves foi considerado culpado pelo crime de agressão sexual e sentenciado a quatro anos e meio de detenção, mais cinco anos de liberdade vigiada, além do pagamento de uma indenização de 150 mil euros, cerca de R$ 798 mil na cotação da época, e das custas do processo. O Ministério Público espanhol solicitava nove anos de prisão para o atleta, enquanto a defesa da vítima pedia a pena máxima para o crime, de 12 anos. A juíza Isabel Delgado, responsável pela sentença do jogador, ainda determinou que Daniel Alves se mantenha afastado da mulher por nove anos.

Com informações do UOL.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Notícias, modelos de petição e de documentos, artigos, colunas, entrevistas e muito mais: tenha tudo isso na palma da sua mão, entrando em nossa comunidade gratuita no WhatsApp.

Basta clicar aqui: https://bit.ly/zapjuristas

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.