DPE-PB determina ainda mais contenção de gastos, diante da pandemia do Covid-19

Data:

O Diário da Justiça trouxe na edição de ontem (segunda-feira), portaria subscrita pelo defensor público-geral da Paraíba, Ricardo Barros, que institui um Plano de Contingenciamento de Despesas, com o objetivo de manter o equilíbrio orçamentário e financeiro no âmbito da DPE-PB, uma vez que detém o menor percentual do duodécimo dentre os Órgãos que compõem o sistema de justiça.

As medidas para conter ainda mais os gastos estão definidas na portaria e seu cumprimento será fiscalizada paralelamente pelo Comitê de Crise criado pelo DPG Ricardo Barros, diante do estado de calamidade pública decorrente do Covid-19 decretado pelos governos nas esferas federal, estadual e municipal.

Abrangência

Dentre as 14 medidas constantes no referido Plano, constam o contingenciamento dos investimentos na área de consultoria técnica e na aquisição de materiais de consumo, exceto os necessários para a manutenção dos serviços do órgão no período que perdurar da pandemia.

Os contratos também serão revisados, visando a redução dos valores pactuados e haverá uma redução do gasto com combustível na razão aproximada de 30% (trinta por cento) do valor realizado no exercício anterior. Também será racionalizada a concessão dos materiais de almoxarifado e o consumo de água, energia elétrica e telefonia.

A locação de veículos passa a ser proibida e as normas sobre utilização de veículos serão revisadas, readequando-a à disponibilidade para os diferentes setores. Está suspensa a locação de novos imóveis para funcionamento de unidades da Defensoria Pública do Estado da Paraíba, excetuando-se se for no intuito de substituições de locações para alugueis de menor valor, além da imediata negociação das locações vigentes.

Pessoal

Quanto às despesas com pessoal, nesse primeiro momento, restam suspensos novos contratos de estágio, com revisão dos atuais, além de pagamento da conversão em pecúnia de licença prêmio. Simultaneamente ocorrerá a avaliação da necessidade e possibilidade de redução do quadro de terceirizados.

Outras suspensões referem-se a concessão de todas as diárias, relativas aos programas e projetos realizados pela DPE-PB; da concessão de passagens aéreas para todos os membros e servidores da instituição.

Ficam suspensos ainda o início de novas obras e reformas não essenciais; novos projetos que representem aumento de despesa; serviços de internet nas Unidades da Defensoria Pública que no momento não estão sendo utilizados durante o período da pandemia, bem como, alternativamente, a redução da locação de equipamentos.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Empresa condenada por uso indevido de marca registrada

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que uma empresa cessasse a venda de roupas que utilizavam indevidamente uma marca registrada por outra empresa do mesmo segmento.

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.