Homem é condenado no DF por injúria e ameaça em caso de homofobia contra irmão

Data:

stf
Créditos: noipornpan | iStock

A 2ª Turma Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) manteve, de forma unânime, a condenação de um homem a dois anos de prisão, em regime aberto, por crime de injúria contra seu próprio irmão, além de ameaça contra uma testemunha. O crime de injúria foi cometido por meio de ofensas homofóbicas proferidas em público. A pena foi substituída por duas penas restritivas de direitos, a serem definidas pela Vara de Execuções Penais do DF (VEP/DF).

briga injúria agressão discutindo homens discutindo homofobia shopping briga em shopping
briga em shopping, injúria e agressão
mwai_images_generator

Conforme o processo, em setembro de 2021, no estacionamento próximo ao Taguatinga Shopping, o réu teria proferido ofensas à dignidade do seu irmão e do companheiro dele, fazendo uso de elementos relacionados à orientação sexual das vítimas, além de ameaçá-las com causar mal injusto e grave. Em seguida, o réu teria ameaçado a esposa de um feirante, no Shopping Popular de Taguatinga. A mulher é uma testemunha do desentendimento entre os irmãos e, devido às ameaças, registrou um boletim de ocorrência.

O irmão do réu, autor da denúncia, alegou que desde que se separou de sua ex-esposa e começou um relacionamento homoafetivo com seu companheiro, passou a enfrentar problemas com a família. Ele afirmou que morava no mesmo prédio que seu irmão e outra irmã, mas se mudou após várias desavenças. O autor também alegou que, após registrar a ocorrência, seu irmão parou de insultar o casal, mas continuou intimidando uma das testemunhas para que não interferisse no caso.

Homofobia e assédio moral levam Via Varejo a pagar R$ 40 mil a ex-empregado
Créditos: Zolnierek / Shutterstock.com

A defesa do réu pediu sua absolvição por insuficiência de provas, alegando que as testemunhas descreveram "um contexto conflituoso entre os envolvidos" e que a dinâmica dos fatos não havia sido esclarecida suficientemente. Em relação ao crime de ameaça à testemunha, alegou que a mulher, apontada como coagida, teve seu depoimento dispensado pelas partes e pediu a revogação das medidas protetivas estabelecidas a favor da testemunha.

O Ministério Público do Distrito Federal e dos Territórios (MPDFT) manifestou-se pela manutenção da sentença e pelo não provimento do recurso.

O relator do recurso (0718878-07.2021.8.07.0007) verificou que o conteúdo homofóbico das ofensas contra a vítima foi confirmado por seu companheiro e pela testemunha mencionada. Conforme o magistrado, embora os elementos do processo não tenham sido suficientes para o reconhecimento do crime de injúria em relação ao companheiro da vítima, “as versões ofertadas foram uníssonas no sentido de ter o acusado proferido palavras visando atingir a orientação sexual de seu irmão, convindo esclarecer que o fato da animosidade entre P. e A. A. já existir há algum tempo, não afasta o dolo inerente [...], que tutela a honra do indivíduo vítima de adjetivação depreciativa”, esclareceu.

livro
Créditos: Alex LMX | iStock

Ele assinalou, também, que o STF entende ofensas homofóbicas como inseridas na mesma classe penal das injúrias relacionadas à discriminação por raça, cor, etnia, religião, origem, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência.

Além disso, para os Desembargadores, ficou comprovada a coação de testemunha no curso do processo, fato que “caracteriza um dos crimes contra a Administração da Justiça”. O colegiado concluiu que o réu procurou o marido da testemunha logo após o registro do B.O. sobre as ofensas, com o intuito de intimidá-la para que não colaborasse na elucidação do caso.

Dessa maneira, a sentença foi mantida, bem como as medidas cautelares que proíbem o réu de manter contato com a testemunha e seus familiares, tampouco de se aproximar de sua residência e local de trabalho. O magistrado explicou que as referidas medidas não têm prazo definido em lei e podem durar enquanto se fizerem necessárias, sob análise da justiça.

Com informações do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.