Homem terá que indenizar pai e filha por agressão à criança

Data:

Homem terá que indenizar pai e filha por agressão à criança | Juristas
Autor belchonock _Depositphotos_180351286_S.jpg

A decisão de primeira instância que condenou o agressor de uma criança a pagar R$ 20 mil por danos morais foi mantida pela 20ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). Além disso, o réu também foi condenado a pagar R$ 10 mil ao pai da vítima pela agressão, que resultou em danos permanentes à menina.

No dia 25 de março de 2018, o namorado da mãe da vítima agrediu a criança, dando-lhe um tapa no ouvido devido à irritação com o choro dela. A agressão perfurou o tímpano e causou uma perda significativa de audição na criança. Como resultado, o pai assumiu a guarda da filha e entrou com uma ação, alegando que a lesão exigia acompanhamento médico contínuo e causou traumas psicológicos na criança.

O juiz responsável pelo caso destacou que o abalo psicológico sofrido pelo pai e pela filha era inegável, e que a menina demonstrava medo ao falar sobre o incidente, o que provavelmente afetará sua personalidade pelo resto da vida. Além disso, a criança tinha menos de 3 anos na época da agressão.

O magistrado também reconheceu a angústia do pai ao descobrir a agressão e acompanhar os tratamentos médicos da filha, e determinou que cada um deles recebesse uma indenização. Os desembargadores Fernando Lins e Fernando Caldeira Brant votaram de acordo com o relator.

Com informações do Tribunal de Justiça de Minas Gerais – TJMG

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

TJSP mantém condenação de acusados que aplicavam golpe em locadora de veículos

A 7ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou a decisão da 13ª Vara Criminal da Capital, sob a juíza Erika Fernandes, que condenou três homens por associação criminosa, com um deles também condenado por estelionato, relacionado a um golpe praticado contra uma locadora de veículos. As penas impostas, variando entre um e dois anos de reclusão, foram convertidas em medidas alternativas, incluindo prestação pecuniária e serviços comunitários.

Tribunal nega devolução em dobro após depósito realizado por engano

A 2ª Vara Cível de Araraquara julgou um caso envolvendo a devolução de R$ 37 mil que foram depositados por engano em uma empresa após um contrato de securitização de ativos empresariais. Após o acordo, a empresa não mais gerenciava os ativos, mas recebeu indevidamente o depósito de uma devedora. A empresa devolveu o dinheiro 14 dias após o depósito, mas apenas depois que a ação foi ajuizada, o que levou a autora a pedir a devolução em dobro, alegando retenção indevida do montante.

Estado indenizará estudante trans depois de ofensas de professor

A Vara da Fazenda Pública de Guarujá condenou o Estado de São Paulo a pagar uma indenização por danos morais no valor de R$ 8 mil a uma estudante trans, devido a comentários ofensivos feitos por um professor sobre a comunidade LGBT em sala de aula. Além disso, foi estabelecido um pagamento de R$ 800 por danos materiais, referente aos custos com tratamento psicológico que a estudante teve após o incidente.

Ré é condenada por uso de embalagem similar ao da concorrente

A 5ª Vara Cível de Barueri condenou uma empresa do ramo alimentício por praticar concorrência desleal ao comercializar geleias em potes e embalagens muito parecidos com os de uma marca concorrente. A decisão judicial ordenou que a empresa ré cessasse o uso desses produtos e determinou o pagamento de uma indenização por danos materiais, cujo montante será definido na fase de liquidação do processo.