Homens são favoritos para substituir mulheres no STF e STJ

Data:

Homens são favoritos para substituir mulheres no STF e STJ | JuristasA corrida para substituir três mulheres na cúpula do Judiciário tem homens como favoritos. No Superior Tribunal de Justiça (STJ), a ministra Laurita Vaz se aposentará em outubro, e em janeiro, a ministra Assusete Magalhães também deixará a corte. No Supremo Tribunal Federal (STF), a cadeira de Rosa Weber já está vaga.

A disputa pelas três vagas está em andamento. Para o STJ, o desembargador Rogério Favreto, do TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região, é o favorito. Também na corrida estão o procurador de Justiça Sammy Barbosa Lopes, do Ministério Público do Acre, apoiado pelo ministro do STJ Mauro Campbell, e o procurador-geral de Justiça de São Paulo, Mario Sarrubbo, associado ao ministro do STF Alexandre de Moraes.

STF / Ministro Marco Aurélio / Gilmar Mendes / Ricardo Lewandowski / Nunes Marques /
Sessão solene de posse do novo ministro da Corte, Cristiano Zanin, no Supremo Tribunal Federal (STF). Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Para a vaga no STF, o ministro da Justiça, Flávio Dino, lidera a corrida. Outros cotados para a cadeira de Rosa Weber são o presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas, e o advogado-geral da União, Jorge Messias, ambos enfraquecidos na disputa.

O STJ possui 33 cadeiras divididas entre juízes federais, juízes estaduais, membros do Ministério Público e representantes da advocacia. O STJ receberá nomes de procuradores interessados na vaga de Laurita e formará uma lista tríplice, e caberá a Lula escolher um nome. O mesmo processo ocorrerá na disputa pela cadeira de Assusete, mas com nomes enviados pelos TRFs.

Homens são favoritos para substituir mulheres no STF e STJ | Juristas
Brasília (DF), 03/08/2023, Sessão solene de posse do novo ministro da Corte, Cristiano Zanin, no Supremo Tribunal Federal (STF). Na foto a ministra Rosa Weber e o presidente Lula. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Nos bastidores, integrantes de tribunais superiores afirmam que Favreto só não será nomeado pelo presidente Lula se não passar pelo crivo do STJ. Além dele, desembargadores do TRF da 1ª Região também estão na corrida pela vaga de Assusete, incluindo Ney Bello, ligado a Gilmar Mendes do STF; Daniele Maranhão e Carlos Brandão, próximos de Kassio Nunes Marques, também do Supremo.

No caso da vaga no STF, Lula não precisa escolher da lista tríplice. Fontes próximas ao presidente dizem que ele ainda não decidiu quem será o novo ministro, e não há previsão para o anúncio.

Com informações do UOL.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Idoso com deficiência tem direito a desconto na passagem de acompanhante

Uma decisão judicial da 3ª Vara Cível da comarca de Lages destaca a violação de direitos e condena uma companhia aérea e um site de viagens a pagar indenização por danos materiais e morais.

TJSP mantém condenação de tutor de pitbull que atacou prestador de serviços

A 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu manter a sentença da 5ª Vara Cível de Ribeirão Preto, proferida pela juíza Roberta Luchiari Villela, que condenou o tutor de um pitbull que atacou um prestador de serviços a indenizar a vítima. A reparação por danos materiais foi mantida em R$ 7 mil, e o ressarcimento por danos morais foi elevado para R$ 6 mil.

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.

Repetitivo discute honorários advocatícios em cumprimento de sentença decorrente de mandado de segurança individual

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), utilizando o rito dos recursos repetitivos (Tema 1.232), está prestes a definir se é viável a fixação de honorários advocatícios na fase de cumprimento de sentença resultante de decisão proferida em mandado de segurança individual, com reflexos patrimoniais.