Operadora de plano de saúde deve fornecer tratamento para paciente com diabetes

Data:

Ressarcimento de beneficiário de plano de saúde
Créditos: ijeab / iStock

O Juízo da 4ª Vara Cível da Comarca de Rio Branco confirmou uma liminar anteriormente emitida para que uma operadora de plano de saúde forneça o tratamento necessário a um paciente idoso com retinopatia diabética, um tipo de diabetes que afeta a visão.

O autor, que tem o plano de saúde desde 1995, relatou que a empresa interrompeu a cobertura, impedindo-o de continuar com os procedimentos de aplicação de laser e terapia antiangiogênica para conter a evolução da doença.

A empresa alegou que o plano do autor é antigo e não regulamentado, e, portanto, as restrições são legítimas. No entanto, o juiz rejeitou essa argumentação e identificou a abusividade na negativa de prestação do tratamento vindicado. Além disso, o magistrado destacou a situação de vulnerabilidade do consumidor ao ser surpreendido com exigências de pagamentos muito maiores do que vinha realizando. A sentença é do processo n.°0707722-71.2022.8.01.0001.

Com informações do Tribunal de Justiça do Acre– TJAC

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.