PJe chegará a 54 comarcas do TJRN

Data:

pje tjrn
Créditos: TJRN

Até outubro deste ano, 54 comarcas do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte – TJRN passarão a ter acesso ao Processo Judicial Eletrônico – PJe, sistema de gestão digital de documentos do judiciário que faz uso do certificado digital no padrão da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil para assinatura e autenticação.icp brasil iti

A Presidência do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte – TJRN e a Corregedoria Geral de Justiça publicaram Portaria Conjunta que estabelece novo cronograma para a implantação no 1º Grau de jurisdição do Poder Judiciário do estado do Rio Grande do Norte. O cronograma abarca as etapas de treinamento de magistrados e servidores.

Segundo o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte – TJRN, os advogados deverão realizar cadastro, mediante utilização do certificado digital ICP-Brasil, acessando o Sistema PJe (Processo Judicial Eletrônico), tanto no primeiro quanto no segundo grau de jurisdição, por meio do site do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte - TJRN. A falta do cadastramento no Processo Judicial Eletrônico – PJe impossibilitará a comunicação dos atos processuais a partir da migração dos processos.

Fonte: ITI - Instituto Nacional de Tecnologia da Informação

Deixe um comentário

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.