Primeira Câmara Cível do TJPB fará a primeira sessão virtual da justiça estadual

Data:

Primeira Câmara Cível do TJPB fará a primeira sessão virtual da justiça estadual
Créditos: Andrey Popov | iStock

O primeiro Órgão Colegiado do TJPB a realizar uma sessão de julgamento totalmente virtual será a 1ª Câmara Cível (Resolução nº 06/2019). A iniciativa não obsta a realização das duas sessões presenciais que já acontecem semanalmente. A Turma Recursal da Comarca de Campina Grande agendou sua primeira sessão virtual para o mês de outubro.

Ao contrário das sessões presenciais, os três magistrados da Câmara apreciam os processos previamente definidos e de menor complexidade em locais diversos. O presidente do colegiado disse que a medida será implementada como ocorre no STF e no STJ. Para ele, é um grande avanço quanto à celeridade e à prestação jurisdicional. 

A diretora judiciária do TJPB, Poliana Brilhante, disse que a pauta da sessão virtual está definida com dez recursos e que a sessão é um piloto.

O gerente de Desenvolvimento de Sistemas da Diretoria de Tecnologia da Informação do TJ (Ditec), Ney Robson, informou que a sessão acontece durante as 24 horas do dia, dentro de ambiente próprio e adaptado do PJe. É estabelecida uma pauta própria para as sessões virtuais, com intimações eletrônicas para a Defensoria Pública, Ministério Público e advogados. As decisões são disponibilizadas a partir da lavratura do acórdão.

Ele ainda disse que “o processo fica em julgamento durante sete dias e, de acordo com a conveniência do julgador, será lançado o voto no sistema”. Robson acredita que a nova modalidade tornará os julgamentos mais céleres, pois será destinada a “assuntos de menor complexidade e que já têm jurisprudência formada na Câmara. É importante dizer que as sessões presenciais vão continuar acontecendo normalmente, com mais tempo para os recursos que necessitam de mais debates entre os desembargadores”.

(Com informações do Tribunal de Justiça da Paraíba)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.