Queixa-crime contra presidente do TJAL por ofensas a advogada é recebida no STJ

Data:

 ofensas a advogada
Créditos: artisteer | iStock

​​A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) recebeu, por maioria, a queixa-crime de uma advogada que acusa o desembargador Tutmés Airan, presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL), dos crimes de injúria e difamação. Quanto ao crime de calúnia, a queixa na APn 886 foi rejeitada por atipicidade da conduta. A queixa-crime é a petição inicial da ação penal privada. 

Apesar de ter recebido a queixa, o que implica na instauração do processo, a Corte Especial entendeu não ser necessário o afastamento do desembargador do exercício do cargo.

A advogada Adriana Mangabeira disse que o presidente do TJAL proferiu ofensas contra ela em um áudio de WhatsApp repassado a um grupo de jornalistas. Isso teria resultado na publicação de diversas matérias na imprensa com reprodução do conteúdo ofensivo.

Segundo a profissional, ela foi chamada de "vagabunda", "sacana" e "pessoa com ficha corrida pouco recomendável", entre outras ofensas. O desembargador afirmou que proferiu tais palavras em reação à acusação da advogada de que ele seria corrupto e que praticava a venda de sentenças. Para ele, agiu em defesa da própria dignidade.

Recebimento da queixa pela Corte Especial

O relator do caso no STJ, ministro Mauro Campbell Marques, votou pela rejeição da queixa-crime. Em sua visão, ocorreu ofensa ao princípio da indivisibilidade previsto no Código de Processo Penal. Para ele, apesar de a advogada ter narrado em detalhes a divulgação das ofensas em matérias jornalísticas, ela dirigiu a queixa-crime somente contra o magistrado, deixando de acusar os demais responsáveis pela divulgação.

A divergência foi aberta na sequência pelo ministro Napoleão Nunes Maia Filho, que votou pelo recebimento parcial da queixa-crime, apenas quanto aos crimes de injúria e difamação, seguindo o parecer do Ministério Público Federal (MPF).

O ministro salientou que as ofensas são graves e que, mesmo que a advogada tivesso sido agressiva em relação ao desembargador, a reação do presidente do TJAL foi excessiva: "Utilizar a expressão 'vagabunda' para se referir a uma mulher, no Nordeste, é tão grave como chamar um juiz de corrupto".

Napoleão Nunes Maia Filho ainda pontuou um trecho da manifestação do subprocurador-geral da República Luciano Mariz Maia, em que o desembargador não negou ter proferido as ofensas, e limitou-se a rejeitar "genericamente" a intenção de injuriar ou difamar a advogada.

O MPF afirma no parecer que é prematuro afastar o dolo e o nexo de causalidade das condutas imputadas ao presidente do tribunal de Alagoas, devendo os fatos serem esclarecidos no curso da ação penal.

 

A advogada ainda apresentou outra queixa-crime (APn 914) após suposta reiteração das ofensas durante audiência conciliatória no âmbito da APn 886. No entanto, ela foi rejeitada pela Corte Especial, que seguiu o voto do relator, ministro Mauro Campbell Marques, por unanimidade. Para os ministros, as supostas ofensas foram proferidas em uma audiência, não configurando novo crime a ser apurado.

Processo: APn 886APn 914

(Com informações do Superior Tribunal de Justiça)

Leia também:          

 

Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas Certificação Digital. Acesse a plataforma de assinatura de documentos com certificado digital de maneira fácil e segura.

Siga o Portal Juristas no Facebook, Instagram, Google News, Pinterest, Linkedin e Twitter.   

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.