Senacon pede criação de autarquia para proteção de dados

Data:

Nota Técnica faz críticas a MP que instituiu a Autoridade Nacional de Proteção de Dados

A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) pediu a criação de uma autarquia para a proteção de dados dos cidadãos. O pedido vem por meio de Nota Técnica sobre a Medida Provisória 869/2018, que promove alterações na Lei nº 13.709/2018 (Lei Geral de Proteção de Dados) criando a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD).

Senacon pede criação de autarquia para proteção de dados | Juristas
Legal Tech - Créditos: ipopba / iStock

O parecer sugere a edição de uma nova norma pela Presidência. Ele pede que a regulamentação da Lei, mas estabelecendo uma autarquia ou agência com estrutura similar ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Assim, haveria mais paridade entre governo, iniciativa privada e sociedade civil, com maior presença de entidades de Defesa do Consumidor.

Saiba mais:

Segundo o texto, a MP pode criar um cenário de insegurança jurídica ao se sobrepor a outros órgãos regulatórios. Isso por que grande parte dos bancos de dados pessoais do governo são formados por informações vindas de relações de consumo já em acordo com a Lei. De acordo com a Senacon, pode haver prejuízo aos direitos do consumidor uma vez que isso iria enfraquecer a capacidade de atuação da Secretaria.

Clique aqui para ler a Nota Técnica

Notícia produzida com informações da Assessoria de Imprensa do Ministério da Justiça.

Caio Proença
Caio Proença
Jornalista pela Cásper Líbero. Trabalhou em O Diário do Pará, R7.com, Estadão/AE e Portal Brasil.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.