Senadores aprovam Dino e Gonet, indicados de Lula para o STF e PGR

Data:

Senadores aprovam Dino e Gonet, indicados de Lula para o STF e PGR | Juristas
Crédito: diegograndi / istock senado

O Senado Federal aprovou, nesta quarta-feira, as indicações de Flávio Dino para o Supremo Tribunal Federal (STF) e de Paulo Gonet para a Procuradoria-Geral da República (PGR). Dino obteve aprovação com 47 votos a favor e 31 contra, enquanto Gonet foi aprovado com 65 votos favoráveis e 11 contrários. Ambos precisavam de, no mínimo, 41 votos para a aprovação. A votação foi secreta, e registrou uma abstenção em ambas as votações.

Agora, cabe ao presidente Lula publicar as indicações no Diário Oficial da União. Após esse procedimento, o Supremo Tribunal Federal e a Procuradoria-Geral da República agendarão as posses dos indicados.

Antes da votação no plenário, os nomes de Dino e Gonet passaram pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Na CCJ, Dino foi aprovado por 17 votos a favor e 10 contra, enquanto Gonet teve 23 votos a favor e 4 contrários.

Senadores aprovam Dino e Gonet, indicados de Lula para o STF e PGR | Juristas
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva na cerimônia de instalação do Conselho da Federação no Palácio do Planalto. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Flávio Dino, de 55 anos, poderá ocupar uma cadeira no Supremo Tribunal Federal por vinte anos, considerando as regras atuais. Seu mandato se estenderá até abril de 2043, quando completará 75 anos. Paulo Gonet, por sua vez, terá um mandato de dois anos na Procuradoria-Geral da República, com a possibilidade de ser indicado novamente por Lula ao final desse período.

É relevante notar que, apesar de serem indicados para cargos distintos, Dino e Gonet foram sabatinados em conjunto, em uma sessão que durou cerca de 10 horas na Comissão de Constituição e Justiça. A decisão de realizar a sabatina dupla foi tomada pelo senador Davi Alcolumbre (União-AP), presidente da CCJ, gerando críticas por parte da oposição.

O que disse Dino na sabatina

Senadores aprovam Dino e Gonet, indicados de Lula para o STF e PGR | Juristas
O ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, durante coletiva de imprensa sobre ação da Polícia Federal em torno do inquérito que investiga a morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Andreson Gomes. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Dino foi o principal alvo dos senadores oposicionistas. Entre outros temas, o ministro foi questionado sobre os atos de 8 de janeiro, o suposto "ativismo judicial" de ministros do STF e sobre sua posição em relação ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

O ministro disse que "toga não muda de cor". Dino afirmou que, como integrante do STF, atuará de forma diferente do Flávio Dino "político".

"Não sou inimigo pessoal de rigorosamente ninguém. Eu almocei com Bolsonaro. Foi normal. Tive várias audiências com ele. Qualquer adversário que chegar lá [em processo no STF] terá evidentemente o tratamento que a lei prevê". frisou Dino.

O ministro disse ainda ser contra decisões monocráticas no STF que suspendam eficácias de lei. Citou como exceção somente casos "excepcionalíssimos".

O que disse Gonet

Senadores aprovam Dino e Gonet, indicados de Lula para o STF e PGR | Juristas
Vice-Procurador-Geral Eleitoral, Paulo Gonet
Brasília-DF _ 04/10/2023
Foto: Marcelo
Camargo/Agência

O questionamento dos senadores a Gonet foi mais "leve" em comparação ao de Dino. Foram feitas perguntas sobre temas de interesse de bolsonaristas, como o inquérito das fake news, em tramitação no STF, e o parecer dado pela condenação de Bolsonaro no TSE.

Gonet se esquivou e disse que não poderia opinar sobre a investigação no STF porque não teve acesso aos autos.

Sobre Bolsonaro, ele afirmou que seguiu o que previa a lei. Nos dois casos que levaram à inelegibilidade do ex-presidente, Gonet se manifestou de forma favorável à condenação por vislumbrar indícios suficientes de abuso de poder.

Ao tratar de direitos da população LGBT+. afirmou que respeitava a legislação e as decisões do STF sobre o tema. Em resposta ao senador Fabiano Contarato (PT-ES), sobre um artigo publicado por ele sobre cotas raciais, Gonet disse que um artigo publicado no início dos anos 2000 foi "descontextualizado" e "retirado de contexto". "Em nenhum momento eu disse que era contrário às cotas. Agora eu posso reafirmar: sou favorável às cotas, respeitadas as necessidades que as recomendam", afirmou.

Com informações do UOL.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Lei do “Não é Não” estabelece mecanismos de proteção à mulher em casas noturnas, bares, shows

A campanha “Não é Não”, que ganhou destaque durante o Carnaval de 2018 como uma forma de enfrentar qualquer tipo de assédio ou violência contra mulheres, tornou-se Lei em dezembro de 2023. O protocolo “Não é Não”, criado para prevenir constrangimentos e violências contra as mulheres, foi instituído por meio da Lei 14.786/2023. Embora já sancionada, a Lei entrará em vigor apenas em junho deste ano.

STF mantém restrição de comunicação entre investigados por tentativa de golpe de Estado

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), reafirmou nesta sexta-feira (16) a decisão que proibiu qualquer comunicação entre os investigados no âmbito da investigação sobre tentativa de golpe de Estado, deflagrada pela Polícia Federal na semana passada. Em resposta à manifestação feita pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Moraes explicou que não houve proibição de comunicação entre advogados ou qualquer restrição ao exercício de suas atividades.

STF rejeita denúncia por peculato contra ex-deputado federal Luiz Sérgio

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou, por unanimidade, uma denúncia por peculato apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o ex-deputado federal Luiz Sérgio Nóbrega de Oliveira (PT-RJ) e a ex-secretária parlamentar Camila Loures Paschoal. O peculato, que consiste no desvio de bem público por funcionário público em benefício próprio ou de terceiros, não foi comprovado pela acusação, segundo entendimento unânime dos ministros.

Supremo convoca audiência de conciliação em ação sobre acordos de leniência na lava jato

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), convocou uma audiência de conciliação para o dia 26 de fevereiro, às 10h, no contexto de uma ação que questiona os termos dos acordos de leniência celebrados entre o Estado e empresas durante a Operação Lava Jato.