STF determina que redes sociais informem postagens de Bolsonaro relacionadas a 8/1

Data:

STF determina que redes sociais informem postagens de Bolsonaro relacionadas a 8/1 | Juristas
Ministro Alexandre de Moraes participa da sessão extraordinária do STF Foto: Carlos Moura_SCO_STF

Atendendo a um requerimento da Procuradoria-Geral da República (PGR), o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que as plataformas de redes sociais enviem diretamente à PGR o conteúdo completo das postagens nos perfis do ex-presidente Jair Bolsonaro relacionadas a eleições, urnas eletrônicas, Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Supremo, Forças Armadas, bem como fotos e vídeos vinculados a esses assuntos.

Essa medida foi emitida no contexto do Inquérito (INQ) 4921, o qual investiga os autores intelectuais e instigadores dos atos de vandalismo ocorridos em 8 de janeiro deste ano contra o STF, o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional. Ao requerer essas ações, a PGR justificou a necessidade de uma investigação abrangente das condutas de Bolsonaro antes e depois do ocorrido em 8 de janeiro, visando avaliar se houve incitação aos atos e o potencial alcance dos danos causados pelas informações compartilhadas.

STF determina que redes sociais informem postagens de Bolsonaro relacionadas a 8/1 | Juristas
Autor: celsopupo
Presidente Jair Bolsonaro

O ministro também acatou a solicitação para que a empresa Meta envie à PGR o vídeo postado e posteriormente removido do perfil de Bolsonaro no Facebook. O conteúdo desse vídeo foi mantido por determinação do STF. Além disso, as plataformas de redes sociais devem informar se os indivíduos denunciados ou réus no inquérito eram ou são seguidores do ex-presidente, e caso já não sejam, quando deixaram de segui-lo. Adicionalmente, devem fornecer detalhes sobre quais deles republicaram publicações do ex-presidente relacionadas a fraude eleitoral, urnas eletrônicas, TSE, STF, Forças Armadas e intervenção militar.

A PGR argumenta que existe uma conexão entre os eventos sob investigação no inquérito e as ações atribuídas a Bolsonaro. Portanto, para o ministro, é fundamental conduzir essas diligências, mesmo que isso implique temporariamente em restrições excepcionais às garantias individuais, as quais não devem ser utilizadas como escudo para a prática de atividades ilícitas.

Com informações do Supremo Tribunal Federal (STF).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Advogado Nelson Wilians recebe condecoração de Cidadão Mato-Grossense nesta terça (20)

O advogado Nelson Wilians, CEO do maior escritório full service do país, recebe o título de cidadão Mato-Grossense nesta terça-feira (20), em homenagem pelo presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Mato Grosso (ALMT), Deputado Eduardo Botelho, e pela Deputada Janaina Riva, em reconhecimento aos 25 anos de seu empreendimento na cidade.

Idoso com deficiência tem direito a desconto na passagem de acompanhante

Uma decisão judicial da 3ª Vara Cível da comarca de Lages destaca a violação de direitos e condena uma companhia aérea e um site de viagens a pagar indenização por danos materiais e morais.

TJSP mantém condenação de tutor de pitbull que atacou prestador de serviços

A 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu manter a sentença da 5ª Vara Cível de Ribeirão Preto, proferida pela juíza Roberta Luchiari Villela, que condenou o tutor de um pitbull que atacou um prestador de serviços a indenizar a vítima. A reparação por danos materiais foi mantida em R$ 7 mil, e o ressarcimento por danos morais foi elevado para R$ 6 mil.

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.