Tentativa de homicídio: STF nega liberdade a advogado condenado por atropelamento intencional

Data:

Tentativa de homicídio: STF nega liberdade a advogado condenado por atropelamento intencional | Juristas
Ministro Alexandre de Moraes participa da sessão extraordinária do STF Foto: Carlos Moura_SCO_STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou o pedido de liberdade ao advogado Paulo Ricardo Moraes Milhomem, condenado pelo Tribunal do Júri de Brasília à pena de 11 anos de reclusão, em regime inicial fechado, pelo crime de tentativa de homicídio qualificado, ao praticar o atropelamento intencional de mulher em Brasília.

O crime ocorreu em agosto de 2021, quando o advogado, após uma briga de trânsito, atropelou a mulher no Lago Sul, em Brasília, e em seguida passou com o automóvel por cima dela, causando diversas lesões.

Milhomem foi preso em flagrante, e sua custódia foi convertida em preventiva. A sentença condenatória manteve a prisão com base na necessidade de assegurar a ordem pública. Pedidos de liberdade foram rejeitados pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) e por decisão de ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

atropelamento
Créditos: Toa55 | iStock

A defesa, no Habeas Corpus (HC) 231981 apresentado no STF, buscava a revogação da prisão de Milhomem alegando que ele é réu primário e possui bons antecedentes. Também argumentava que haveria "evidente excesso da custódia cautelar."

Entretanto, o ministro Alexandre de Moraes destacou que o habeas corpus questiona decisão de ministro do STJ, sendo cabível recurso naquela Corte. Geralmente, é necessário o esgotamento da análise da matéria pela instância anterior para que o STF intervenha no caso. O relator observou que essa orientação pode ser flexibilizada em circunstâncias excepcionais, o que, no entendimento do ministro, não se aplica ao caso em questão.

Dessa forma, o advogado continuará preso enquanto o processo segue em análise pelas instâncias judiciais competentes.

Com informações do Supremo Tribunal Federal (STF).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Idoso com deficiência tem direito a desconto na passagem de acompanhante

Uma decisão judicial da 3ª Vara Cível da comarca de Lages destaca a violação de direitos e condena uma companhia aérea e um site de viagens a pagar indenização por danos materiais e morais.

TJSP mantém condenação de tutor de pitbull que atacou prestador de serviços

A 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu manter a sentença da 5ª Vara Cível de Ribeirão Preto, proferida pela juíza Roberta Luchiari Villela, que condenou o tutor de um pitbull que atacou um prestador de serviços a indenizar a vítima. A reparação por danos materiais foi mantida em R$ 7 mil, e o ressarcimento por danos morais foi elevado para R$ 6 mil.

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.

Repetitivo discute honorários advocatícios em cumprimento de sentença decorrente de mandado de segurança individual

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), utilizando o rito dos recursos repetitivos (Tema 1.232), está prestes a definir se é viável a fixação de honorários advocatícios na fase de cumprimento de sentença resultante de decisão proferida em mandado de segurança individual, com reflexos patrimoniais.