STF decidirá sobre responsabilidade do Estado no caso de repórter ferido pela polícia em cobertura jornalística

Data:

cobertura jornalística
Créditos: Mihajlo Maricic | iStock

O STF decidirá sobre a responsabilidade civil do Estado em caso de repórter ferido pela polícia durante cobertura jornalística. A matéria foi reconhecida como repercussão geral e é objeto do Recurso Extraordinário (RE) 1209429.

O recurso foi interposto por um repórter fotográfico que, ao cobrir protesto de 18 de maio de 2000, foi atingido no olho esquerdo bala de borracha, disparada pela Polícia Militar de São Paulo. O RE questiona acórdão do TJ-SP, que, apesar de admitir que o disparo deu causa à lesão permanente na visão, entendeu que o fato era culpa exclusiva da vítima.

Para o repórter, a decisão constitui “verdadeiro salvo-conduto” à violência desmedida da polícia em manifestações públicas, risco à atividade da imprensa e imposição de censura implícita por inibir notícias sobre ações dos agentes estatais. Ele ainda apontou ofensa aos princípios da cidadania e da dignidade da pessoa humana e aos direitos à vida, à liberdade e à segurança. Na visão do profissional, para além da responsabilidade objetiva, houve ao menos inadequação dolosa ou culposa por parte do policial.

Já o Estado de São Paulo afirma que a alegação de censura à imprensa é sensacionalismo. Para o estado, o repórter assumiu o risco ao permanecer no confronto. O ente federado ainda destacou a decisão do tribunal e afirmou que o cidadão comum deve proteger-se no exercício da profissão.

Para o relator do recurso, ministro Marco Aurélio, o tema exige pronunciamento do Supremo.

Processo relacionado: RE 1209429

(Com informações do Supremo Tribunal Federal)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Arquiteta é condenada por não concluir reforma em apartamento de cliente

A 3ª Vara Cível da Comarca de Natal, no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), proferiu sentença condenando uma arquiteta, prestadora de serviços de reforma em imóveis, ao pagamento de indenização por danos materiais de R$ 74.805,00, acrescidos de multa contratual estipulada em R$ 22 mil, em razão da não conclusão, no prazo acordado, da obra em um apartamento de um cliente. Além disso, a profissional foi condenada a pagar uma indenização por danos morais em favor do autor no valor de R$ 10 mil.

A primeira turma do STF decide tornar réus sete integrantes da antiga cúpula da PMDF por omissão em atos antidemocráticos

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria para tornar réus sete integrantes da antiga cúpula da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), todos suspeitos de omissão durante os atos antidemocráticos de 8 de janeiro de 2023, quando as sedes dos Três Poderes foram invadidas e depredadas. A sessão de julgamento, que é virtual, está prevista para durar até 20 de fevereiro. Os ministros Cristiano Zanin e Cármen Lúcia seguiram o voto do relator, Alexandre de Moraes. Falta o voto do ministro Luiz Fux.

STF inspaciona desintrusão da Terra Indígena Trincheira-Bacajá (PA)

Uma missão oficial liderada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), com representantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e da Presidência da República, esteve em operação no último dia 4 para inspecionar o progresso da desintrusão da Terra Indígena (TI) Trincheira-Bacajá, localizada no estado do Pará (PA). Durante a visita, foram realizados sobrevôos em áreas-chave da reserva e reuniões com líderes indígenas do povo Xikrin.

Dupla é condenada por saída do país com dinheiro não declarado à Receita Federal

A 7ª Vara Federal de Porto Alegre emitiu sentença, no dia 6 de fevereiro, condenando dois indivíduos pelo crime de evasão de divisas. Ambos foram flagrados transportando dinheiro em espécie para fora do país sem declará-lo à Receita Federal.