MPF é coautor de ação contra Serasa por vazamento de dados de 223 milhões de brasileiros

Data:

Serasa ExperianO Ministério Público Federal (MPF) tornou-se coautor em uma ação civil pública proposta pelo Instituto Sigilo, visando que a Serasa pague indenizações por vazamento de dados de mais de 223 milhões de brasileiros. Cada pessoa afetada busca uma indenização de R$ 30 mil, e a Serasa pode ser condenada a pagar multa, equivalente a até 10% do seu faturamento anual no último exercício, não podendo ser inferior a R$ 200 milhões.

O MPF argumenta que a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) também deve ser responsabilizada pela exposição indevida, dada a ausência de controle prévio e posterior para prevenir e conter o vazamento.

O Instituto Sigilo iniciou a ação após notícias de que a Serasa teria violado dados de mais de 223 milhões de CPFs, contrariando normas como a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e o Código de Defesa do Consumidor (CDC).

vazamento de dados pessoais
Créditos: welcomia | iStock

As investigações revelaram que a Serasa comercializou indevidamente o acesso a dados pessoais, resultando em informações pessoais de consumidores circulando gratuitamente na internet ou sendo vendidas por criminosos. A empresa já havia sido condenada anteriormente por práticas semelhantes.

Diante da gravidade do caso, o MPF busca uma tutela antecipada para que a Serasa comunique os cidadãos afetados em até dez dias, sob pena de multa diária. Além disso, solicita a divulgação das falhas de segurança, a suspensão de compartilhamento de dados e medidas de segurança aperfeiçoadas.

Quanto à ANPD, o MPF destaca a omissão no cumprimento de seus deveres legais, pleiteando que a agência instaure processo administrativo contra a Serasa e assegure o cumprimento do dever legal de proteção de dados.

A procuradora da República, Karen Louise Jeanette Kahn, ressalta que o MPF está buscando providências para que os consumidores tenham conhecimento sobre o vazamento de dados, mesmo diante da conduta da Serasa. Segundo ela, esse tipo de vazamento expõe os cidadãos de forma pública e ilegal, atraindo graves riscos de possíveis fraudes envolvendo suas identidades e vida privada. "Tal acesso se mostra fundamental, na medida em que lhes permitirá, além de contar com a defesa do MPF de seus direitos individuais homogêneos, ajuizar ações individuais que entenderem cabíveis pelos danos que ainda restarem constatados em seu desfavor, em especial, envolvendo possíveis violações à sua honra e à vida privada", conclui Karen Kahn.

Em nota, a Serasa Experian alegou que as notícias que fazem menção à suposta indenização de R$ 30 mil são falsas, contribuindo para confundir o consumidor:

"Não existe nenhuma decisão judicial nesse sentido. Importante pontuar que o pedido liminar requerido pelo MPF foi indeferido. A empresa informa, ainda, que já demonstrou a ausência de invasão de seus sistemas ou indícios de que o suposto vazamento tivesse tido origem em suas bases de dados. Também é relevante esclarecer que essa ação judicial não possui qualquer relação com a Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público do Distrito Federal, já inclusive encerrada, referente aos serviços 'Lista Online' e 'Prospecção de Clientes', os quais foram descontinuados em 2020. A Serasa Experian­­ reforça que proteger a segurança dos dados é sua prioridade número um e cumpre rigorosamente a legislação brasileira."

Com informações do Portal Migalhas.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.

Mantida condenação de mulher por estelionato

A 8ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a decisão da 21ª Vara Criminal da Capital, proferida pela juíza Luciane Jabur Mouchaloite Figueiredo, que condenou uma mulher por estelionato. A pena foi fixada em dois anos e seis meses de reclusão em regime semiaberto.