TJSP mantém condenação por peculato contra instituição bancária

Data:

TJSP mantém condenação por peculato contra instituição bancária | Juristas
Businessman in unethical business concept with bribe

A 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a condenação de um homem pelo crime de peculato contra uma instituição bancária. A sentença, proferida pela juíza Ana Claudia dos Santos Sillas, da 26ª Vara Criminal da Capital, determinou que o acusado cumpra pena de quatro anos de reclusão em regime inicial aberto.

Segundo os autos do processo, o réu, que ocupava o cargo de gerente de relacionamento do banco, realizou inscrições irregulares nos Cadastros de Pessoas Físicas (CPF) na base da Receita Federal. Posteriormente, abriu contas correntes em nome de pessoas físicas fictícias. Utilizando os cartões de débito dessas contas, o réu solicitou empréstimos, aumentos de limites e realizou diversos saques em terminais de autoatendimento. Uma auditoria interna realizada pela empresa revelou um prejuízo de mais de R$ 305 mil em valores movimentados irregularmente em pouco mais de quatro anos.

Empréstimo Consignado - Caixa Econômica Federal
Créditos: utah778 / iStock

O relator do recurso, desembargador Camilo Léllis, enfatizou que o acusado se aproveitou das atribuições e conveniências do cargo para cometer os crimes. Ele ressaltou que os subordinados do réu não tinham elementos para desconfiar das ações ou impedir sua prática, uma vez que o réu era o gerente de relacionamento da agência e, em suas ausências, substituía o gerente geral.

O desembargador destacou ainda que a conduta do acusado configura o crime de peculato, previsto no artigo 312 do Código Penal, uma vez que ele atuava em uma sociedade de economia mista, o que o equipara a um funcionário público. "O elemento subjetivo do tipo também é evidente, na medida em que o apelante desviou o bem público de sua finalidade, apropriando-se de valores pertencentes à instituição bancária de economia mista, em proveito próprio", afirmou o magistrado.

Com a decisão da 4ª Câmara de Direito Criminal, a condenação pelo crime de peculato foi mantida.

Com informações do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Notícias, modelos de petição e de documentos, artigos, colunas, entrevistas e muito mais: tenha tudo isso na palma da sua mão, entrando em nossa comunidade gratuita no WhatsApp.

Basta clicar aqui: https://bit.ly/zapjuristas

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.

Mantida condenação de mulher por estelionato

A 8ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a decisão da 21ª Vara Criminal da Capital, proferida pela juíza Luciane Jabur Mouchaloite Figueiredo, que condenou uma mulher por estelionato. A pena foi fixada em dois anos e seis meses de reclusão em regime semiaberto.