TST isenta Estácio de indenizar professor por uso de material didático

Data:

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu, por unanimidade, isentar a Universidade Estácio de Sá Ltda., do Rio de Janeiro (RJ), da condenação de indenizar um professor que alegava uso indevido de material didático após a rescisão contratual. A decisão levou em consideração a existência de um termo de cessão de direitos autorais assinado entre as partes, de forma gratuita.

Professor que autorizou aluno a realizar provas sem comparecer à aula não consegue reverter justa causa
Créditos: g-stockstudio / Shutterstock.com

O pedido de danos materiais foi apresentado em fevereiro de 2018, após o término do contrato de trabalho. O professor alegava que a faculdade utilizou sua imagem, explicações, provas, questões e apostilas em cursos de ensino a distância sem oferecer qualquer contraprestação. Na ação trabalhista, ele buscava a nulidade do termo de cessão de direitos e compensação material pelos direitos autorais, estimando um valor de aproximadamente R$ 214 mil.

A Universidade Estácio de Sá defendeu a legalidade da situação, destacando que o professor tinha ciência da utilização de sua imagem para fins educacionais, ressaltando a assinatura do termo de cessão gratuita dos direitos patrimoniais sobre o material.

assédio sexual
Créditos: Alexas_Fotos / Pixabay

O juízo da 4ª Vara do Trabalho de Niterói (RJ) inicialmente julgou improcedente o pedido do professor. No entanto, o Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (RJ) reformou a sentença, condenando a instituição ao pagamento de R$ 20 mil por danos materiais. O Tribunal destacou a abusividade da exigência de cessão gratuita do material por 20 anos, especialmente após o fim do contrato.

O relator do recurso de revista da Estácio, ministro Amaury Rodrigues, explicou que, conforme a Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/1998), o autor é detentor exclusivo dos direitos de exploração do material didático produzido por ele. No entanto, a lei permite a transmissão total e definitiva desses direitos mediante estipulação contratual escrita. Com a assinatura do termo de cessão de direitos autorais, o produto do trabalho intelectual do professor passou a pertencer à instituição, nos termos acordados, mesmo após o fim do contrato de trabalho.

TST isenta Estácio de indenizar professor por uso de material didático | Juristas
Créditos: Matej Kastelic/Shutterstock.com

O relator destacou que não há abusividade nesse acordo, uma vez que a produção do material didático utilizado é intrínseca à própria atividade docente. “Desse modo, a contraprestação recebida já engloba o trabalho de elaboração das questões de prova, não sendo possível falar em ‘gratuidade’”, concluiu.

A decisão foi unânime.

Com informações do Tribunal Superior do Trabalho (TST).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Lei do “Não é Não” estabelece mecanismos de proteção à mulher em casas noturnas, bares, shows

A campanha “Não é Não”, que ganhou destaque durante o Carnaval de 2018 como uma forma de enfrentar qualquer tipo de assédio ou violência contra mulheres, tornou-se Lei em dezembro de 2023. O protocolo “Não é Não”, criado para prevenir constrangimentos e violências contra as mulheres, foi instituído por meio da Lei 14.786/2023. Embora já sancionada, a Lei entrará em vigor apenas em junho deste ano.

STF mantém restrição de comunicação entre investigados por tentativa de golpe de Estado

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), reafirmou nesta sexta-feira (16) a decisão que proibiu qualquer comunicação entre os investigados no âmbito da investigação sobre tentativa de golpe de Estado, deflagrada pela Polícia Federal na semana passada. Em resposta à manifestação feita pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Moraes explicou que não houve proibição de comunicação entre advogados ou qualquer restrição ao exercício de suas atividades.

STF rejeita denúncia por peculato contra ex-deputado federal Luiz Sérgio

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou, por unanimidade, uma denúncia por peculato apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o ex-deputado federal Luiz Sérgio Nóbrega de Oliveira (PT-RJ) e a ex-secretária parlamentar Camila Loures Paschoal. O peculato, que consiste no desvio de bem público por funcionário público em benefício próprio ou de terceiros, não foi comprovado pela acusação, segundo entendimento unânime dos ministros.

Supremo convoca audiência de conciliação em ação sobre acordos de leniência na lava jato

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), convocou uma audiência de conciliação para o dia 26 de fevereiro, às 10h, no contexto de uma ação que questiona os termos dos acordos de leniência celebrados entre o Estado e empresas durante a Operação Lava Jato.