Condomínio terá que indenizar moradora impedida de ter acesso a áreas de lazer

Condomínio terá que indenizar moradora impedida de ter acesso a áreas de lazer
Créditos: Lukas Gojda / Shutterstock.com

A 3ª Turma Recursal do TJDFT confirmou sentença do 2º Juizado Cível de Ceilândia que condenou o Condomínio Residencial Allegro a indenizar moradora cujo acesso a área de lazer foi negado. A decisão foi unânime.

De acordo com os autos, restou incontroverso que, desde dezembro de 2014, o condomínio réu impediu o acesso da autora e de sua família às dependências do edifício em que residem, mesmo estando em dia com todas as taxas devidas após a aquisição do imóvel. Restou provado também que os débitos cobrados pela ré eram anteriores à mudança da autora para o referido condomínio, tendo a autora tomado conhecimento da dívida em questão somente após o bloqueio das dependências comuns do condomínio.

Em sua defesa, o réu se limitou a argumentar que agiu no exercício regular do seu direito e em conformidade com a convenção de condomínio.

Segundo a juíza originária, não há dúvidas de que a cobrança dos débitos pela demandada constitui, de fato, o exercício regular dos seus direitos. Acontece, diz ela, “que, apesar de cabível a cobrança, não se mostra razoável a suspensão do acesso às dependências do condomínio a título de punição da requerente se não lhe foi comunicada a existência do débito e nem lhe foram garantidos os direitos da ampla defesa e do contraditório, de modo que se revela arbitrária e abusiva a aplicação da punição impugnada, ainda que haja previsão na convenção de condomínio”.

Assim, “tendo em vista a clara violação dos direitos e garantias fundamentais da parte autora, deve ser reconhecida a ocorrência da violação moral alegada e o direito da requerente a ser indenizada pelo dano sofrido” concluiu a juíza, que arbitrou em R$ 3 mil o valor a ser pago à autora, a título indenizatório.

AB

Processo (PJe): 0702172-34.2016.8.07.0003 – Sentença / Acórdão

Fonte: Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios – TJDFT

Ementa:

DIREITO CIVIL. CONDOMÍNIO. Restrição de acesso do condômino e de seus familiares às áreas de lazer que, no caso concreto (débitos anteriores à aquisição do imóvel e ausente prévia notificação do atual condômino), se afigura desproporcional, e subsidia a reparação por dano extrapatrimonial (CF, Art 5º, V e X). I. Embora legítimo o direito do condomínio à cobrança das taxas condominiais inadimplidas (ainda que se trate de débitos anteriores à aquisição do imóvel – natureza propter rem), no caso concreto, o recorrente não comprova a prévia notificação da recorrida (que, aliás, adimpliu todas as parcelas do condomínio posteriores à aquisição do imóvel) acerca do débito pretérito (inclusive a possibilitar o exercício da ampla defesa pelo atual condômino), tampouco demonstra qualquer tratativa de negociação e a correspondente negativa de pagamento após a ciência do débito pela atual proprietária (que se mudou para o imóvel em julho de 2014 e teve impedido o acesso à área de lazer, a partir de dezembro de 2014). II. Nesse contexto, ainda que fundamentada em regimento interno do condomínio, a vedação de acesso da recorrida às áreas comuns (inclusive mediante o “bloqueio das catracas”) como medida coercitiva ao pagamento do débito, ao expor a condição de inadimplente do condômino (não notificado) aos demais residentes, extrapola os limites da razoabilidade e constitui ofensa aos direitos de propriedade e à dignidade da pessoa humana, tudo a subsidiar reparação por dano morais. Precedentes: STJ, Informativo nº 0588, período de 17 a 31 de agosto de 2016; 3ª Turma, REsp 1401815 ES 2013/0296424-0, DJe 13/12/2013; TJDFT, 1ª Turma Cível, Acórdão n.922944, DJE: 09/03/2016, 1ª Turma Recursal, Acórdão n.778703 DJE: 14/04/2014. III. Em relação ao quantum, confirma-se a estimativa razoavelmente fixada (R$ 3.000,00), uma vez que guardou correspondência ao gravame sofrido (CC, Art. 944), além de sopesar as circunstâncias do fato, tudo com esteio no princípio da proporcionalidade (ausente ofensa à proibição de excesso). Recurso conhecido e improvido. Condenado o recorrente ao pagamento das custas processuais e dos honorários advocatícios, ora fixados em 10% do valor da condenação (Lei n. 9099/95, Art. 55). Sentença confirmada por seus fundamentos (Lei n. 9099/95, Art. 46). (TJDFT – Órgão TERCEIRA TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS DO DISTRITO FEDERAL Processo N. RECURSO INOMINADO 0702172-34.2016.8.07.0003 RECORRENTE(S) CONDOMINIO RESIDENCIAL ALLEGRO RECORRIDO(S) ERICELIA FERREIRA DE CARVALHO Relator Juiz FERNANDO ANTONIO TAVERNARD LIMA Acórdão Nº 984484)

Se vives de acordo com as leis da natureza, nunca serás pobre; se vives de acordo com as opiniões alheias, nunca serás rico.

- Sêneca

O dia que chegar, chegou. Pode ser hoje ou daqui a 50 anos. A única coisa certa é que ela vai chegar.

- Ayrton Senna