Site de vagas de emprego não tem responsabilidade por ofertas discriminatórias

117
Os sites só são responsáveis caso descumpram ordem judicial. Créditos: Lumine Images | iStock A 6ª Turma do TST decidiu que as plataformas online que divulgam vagas de emprego não podem ser responsáveis por ofertas discriminatórias. Para a turma, a provedora só pode ser responsável se descumprir ordem judicial, de acordo com o Marco Civil. O Ministério Público do Trabalho ajuizou um recurso de revista contra a empresa Employer Organização de Recursos Humanos LTDA. A discussão central era a responsabilidade civil da empresa sobre descrições discriminatórias para contratações nas vagas publicadas por ela. O TST manteve a decisão do TRT9. No recurso, o MPT pediu, além da fixação de multa e da indenização por dano moral coletivo, a condenação em obrigação de não fazer para que a empresa “não insira nem permita que seja inserido, em anúncio de oferta de emprego, exigências de caráter discriminatório, além daquelas expressamente relacionadas na Constituição Federal (gênero, raça, idade ou origem), outras como existência de restrições junto ao Serasa, boa aparência, inexistência de reclamações trabalhistas ou quaisquer outras que, por injustificadas, venham a atentar contra a igualdade de oportunidades no trabalho”. O tribunal analisou o caso sob a luz do Marco Civil da Internet

Este conteúdo é restrito para usuários cadastrados do site e é GRÁTIS. Cadastre-se GRATUITAMENTE e tenha acesso já ao conteúdo. Se já for cadastrado, faça o login. Para novos usuários basta preencher o cadastro.

Login de usuários cadastrados
   
Cadastro de Novo Usuário
*Required field