A geopolítica da inteligência artificial

411

A importância da inteligência artificial no cotidiano.

geopolítica
Créditos: Metamorworks | iStock

Desde o início da era tecnológica, cada nova invenção vem ajudado os seres humanos a inaugurarem uma nova era de crescimento econômico, mudando os fundamentos das respectivas nações e sua segurança. Nesta nova era da inteligência artificial, a revolução e a evolução dos ecossistemas humanos no espaço geográfico são inevitáveis. As nações já começaram a sentir o impacto dos sistemas emergentes de inteligência artificial.

A questão agora é: como as tendências da IA ​​definirão e determinarão a trajetória global nos próximos anos? Parece que fatores geopolíticos provavelmente desempenharão um papel determinante no processo. Embora a inteligência artificial traga a cada nação um grande potencial, também traz importantes desafios geopolíticos que afetam não apenas a segurança nacional, mas também as bases para a segurança da humanidade.

Isso nos leva a avaliar algumas questões importantes: Como a inteligência artificial está redefinindo o poder? Quais são as consequências de segurança, sociais , econômicas e políticas dos avanços da inteligência artificial em nível global? Quais inovações de inteligência artificial, incluindo avanços em hardware, software, poder de processamento e muito mais, aumentam os riscos estratégicos de segurança? Como as nações podem se preparar para possíveis ameaças à segurança existencial?

Campo de batalha de Inteligência Artificial

Como a inteligência artificial dá ao seu criador ou desenvolvedor o poder de criar e controlar conflitos em todos os níveis, a corrida por infraestrutura, dados e inteligência é a busca por supremacia econômica e de segurança.

Embora nenhuma nação ou qualquer de seus integrantes (indivíduos, governo, indústrias, organizações ou academia) estejam preparados para a revolução e evolução em curso, o campo de batalha em desenvolvimento da inteligência artificial já está desenhado.

Os jogadores já estão envolvidos com todos os seus arsenais de guerra (incluindo todas as armas de guerra convencionais: nucleares, biológicas, cibernéticas e outras) para combater as incógnitas deste campo de batalha da inteligência artificial. É importante entender e avaliar quem são eles, o que eles controlam e quais são as implicações geopolíticas.

Por exemplo, os riscos representados pela convergência da inteligência artificial com a tecnologia de armas nucleares (ou qualquer outra arma de guerra) é um lembrete gritante do já complexo cenário geopolítico que se agrava diante da possível ruptura em alianças já delicadas.

Historicamente, as guerras não são travadas sozinhas, e as alianças têm sido a espinha dorsal da legitimidade de cada guerra. A inteligência artificial está mudando isso, pois parece ter proporcionado uma faísca para dividir e romper as alianças globais, como vemos com os tropeços da Otan e da UE (cada nação parece estar sozinha em sua jornada de inteligência artificial). A aliança histórica dos EUA e da Europa também é tensa em alguns momentos e isso talvez seja apenas o começo.

Deslocando o equilíbrio de poder

A inteligência artificial está mudando o equilíbrio de poder, e a nova realidade emergente de cada nação, atuando por si mesma, parece ser um evento altamente desestabilizador para a paz e a segurança global. Em consequência, para o futuro da humanidade. Enquanto tecnologias como inteligência artificial, aprendizado de máquina e aprendizado profundo continuam a acelerar o ritmo da revolução tecnológica, a mudança do equilíbrio do poder político é uma causa de grande preocupação.

Como a inteligência artificial tem o potencial de redefinir as relações entre as nações, entre o homem e a máquina, e entre a Terra e o universo? O que mudará? Quais pressupostos convencionais sobre o futuro da política estão sendo desafiados pela IA? Como essa tecnologia reorganizará as relações políticas e levará à difusão do poder político ou do controle total do Estado?

Isso nos leva a uma questão importante: à medida que a inteligência artificial interrompe fundamentalmente o ecossistema humano, a ideia de alianças nacionais ou mesmo de soberania sobreviverá?

A relação entre inteligência artificial e geopolítica

Tem sido dito que a trajetória tecnológica de uma nação ao longo dos anos foi determinada por sua geografia e infraestrutura existente em geoespacial. Isso está mudando rapidamente e sendo substituído pela infraestrutura digital, dados digitais e infraestrutura de inteligência artificial, forçando-nos a reavaliar se a geografia ainda desempenha algum papel relevante na trajetória de uma nação.

Como vemos através das nações, poucas dúzias de países têm algum tipo de estratégia de IA. Dentre eles, Austrália, Canadá, China, Dinamarca, Comissão da UE, Finlândia, França, Alemanha, Índia, Itália, Japão, Quênia, Malásia, México, Nova Zelândia, Região Nórdica-Báltica, Polônia, Rússia, Cingapura, Coréia do Sul, Suécia, Taiwan, Tunísia, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e Estados Unidos.

E as outras nações? Quais são os fatores determinantes de quando e se uma nação adotará a inteligência artificial e como ela mudará seu curso estratégico? As nações restantes carecem de infraestrutura digital, liderança de pensamento, recursos humanos, disponibilidade de capital, sistemas educacionais, aceitação social e uma visão para o progresso e desenvolvimento da IA ​​para suas respectivas nações.

A análise da relação entre as tendências da inteligência artificial, a preparação da nação e a geopolítica é fundamental para entender o futuro da humanidade. Será interessante ver como as nações enfrentarão a progressão desigual da tecnologia da IA. Do mesmo modo, entender se a descentralização emergente dos recursos da AI e as escolhas dos tomadores de decisão se interceptarão para criar caminhos diferentes para o futuro de uma nação – e o futuro da humanidade.

Um novo modelo de inteligência artificial para o desenvolvimento

Uma vez que a inteligência artificial poderia interromper o processo pelo qual as nações se desenvolvem, será fundamental saber como ela determinará as trajetórias nacionais. As nações com a melhor chance de se aproximarem dessa conquista talvez sejam aquelas que têm à sua disposição uma riqueza de capital e de recursos humanos de IA, como os EUA, a China e muitas outras nações desenvolvidas, e até mesmo a Índia.

Então, como os recursos influenciarão as tendências de desenvolvimento de inteligência artificial para as nações com infraestrutura, visão e estratégia digitais necessárias? Os recursos humanos estão no centro do desenvolvimento da IA, especialmente quando, por exemplo, as tecnologias biométricas automatizadas já estão fornecendo vigilância precisa dos seres humanos.

A tecnologia de reconhecimento facial automatizado está monitorando cidadãos chineses e a AI já está tornando tudo inteligente e uma arma de guerra. Diante disso, como muitas nações ainda dependem dos modelos econômicos anteriores, como a IA desempenhará um papel na criação de novos modelos de crescimento? Quem ou o quê permitiremos controlar os algoritmos que teriam tanto controle sobre o ecossistema humano no ciberespaço, no espaço geográfico e no espaço?

A realidade hoje é que, à medida que nos aproximamos da inteligência artificial que ultrapassa a inteligência humana e que provavelmente será capaz de administrar sozinha empresas inteiras, haverá uma mudança fundamental na estrutura das nações.

Será interessante ver como as nações administrarão esse modelo de crescimento econômico em evolução, à medida que as máquinas se tornarem cada vez mais independentes da influência e controle humanos, ameaçando o modelo de segurança do qual as nações costumavam depender. (Artigo produzido com informações da Forbes.)

DEIXE UMA RESPOSTA