Efeitos da reforma trabalhista são sentidos por advogados

Data:

efeitos da reforma trabalhista
Créditos: Gabriel Ramos | iStock

"A fonte secou". Em vigor desde novembro de 2017, a Reforma Trabalhista diminuiu a quantidade de processos apresentados à Justiça do Trabalho devido ao risco que os autores das ações correm de ter de pagar custas e honorários se perderem a ação. E quem sentiu os efeitos de perto foram os advogados.

Escritórios especializados, que tinham a maior parte do faturamento oriundo de ações trabalhistas tiveram que se reinventar em outras áreas de atuação. De acordo com o TST, a quantidade de novos casos teve um pico em novembro de 2017, mas depois caiu. Até a reforma entrar em vigor, eram mais de 200 mil casos por mês. Esse patamar não foi mais atingido em nenhum mês.

O presidente do TST, ministro Brito Pereira, afirmou em entrevista à BBC News Brasil que a queda nas ações é positiva, porque as pessoas estão mais cautelosas, e os pedidos feitos nas ações possuem mais pertinência com a reclamação. Ele pontuou também que a possibilidade de firmar acordos extrajudiciais estimulou a "negociação da rescisão do contrato de trabalho diretamente entre o empregado e o empregador", o que também colabora para a redução de novas ações.

O presidente da Comissão Nacional de Direitos Sociais da OAB, Antônio Fabrício Gonçalves, não vê a redução como positiva, porque não reflete uma diminuição nos conflitos entre trabalhadores e empregadores.

Esse ponto da reforma é tão controvertido que o STF decidirá sobre a possibilidade de trabalhadores pagarem honorários e custas dos processos. O MPT considera a mudança inconstitucional. A Anamatra também critica a restrição do acesso à justiça. O Ministério Público do Trabalho ainda destaca que a Justiça do Trabalho pode ficar "ainda mais abarrotada" no futuro devido às novas formas de contratação.

efeitos advogados trabalhistas
Créditos: Antonio Guillem | iStock

Outro ponto sensível sobre a reforma é a ampliação do nível de contratações, um dos argumentos mais usados pelos defensores da mudança. O governo disse que ocorreria geração de até 6 milhões de empregos no país. No entanto, em 2018, o Brasil criou 529 mil empregos. Atualmente, o desemprego atinge 13 milhões de brasileiros (taxa de 12,3% de março a maio de 2019). 

Para o presidente do TST, ministro Brito Pereira, "foi um equívoco alguém um dia dizer que lei ia criar empregos".

(Com informações do BBC Brasil)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Técnico de laboratório tem recurso negado após não comprovar dano em atendimento crise epilética no trabalho

A Oitava Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) rejeitou o recurso de um técnico de laboratório da União Educacional do Planalto Central S.A. (Uniceplac), localizada em Santa Maria (DF). O profissional buscava comprovar ter sofrido dano moral devido à forma como foi contido durante uma crise epilética no local de trabalho.

TRF1 nega pedido de remoção de tenente temporária da FAB para acompanhar esposo transferido

A 9ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) negou o pedido de uma oficial temporária da Força Aérea Brasileira (FAB) para anular o ato administrativo que indeferiu sua solicitação de remoção para acompanhar seu esposo, oficial de carreira da FAB, transferido de São José do Campos/SP para Brasília/DF.

Supremo confirma prorrogação do prazo de adesão de Minas Gerais ao Regime de Recuperação Fiscal

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou, por unanimidade, a decisão que estendeu por 120 dias o prazo de adesão do Estado de Minas Gerais ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF). A medida referenda a liminar concedida pelo ministro Nunes Marques, que ampliou o período para negociações entre Minas Gerais e a União visando a renegociação de dívidas.

Empresa de telefonia móvel faz cobrança irregular a menor de idade e deve pagar danos morais

A Vara Única da Comarca de Ipanguaçu, pertencente ao Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), determinou que uma empresa de telefonia móvel pague uma indenização por danos morais no valor de R$ 4 mil. A decisão decorre da cobrança de uma conta inexistente a um adolescente.