Contrafação faz nascer o dever de indenizar fotógrafo que teve seus direitos autorais violados

Data:

fotógrafo
Créditos: Prathan Chorruangsak | iStock

O juiz da 3ª Vara Cível de João Pessoa julgou procedente os pedidos de Gilberto Lyra Stuckert Filho em face de Geilson Loureiro Bonicenha - ME nos autos da ação de obrigação de fazer c/c reparação por danos que trata sobre a prática de contrafação.

Gilberto, fotógrafo representado por Wilson Furtado Roberto, ajuizou a ação por ter se deparado com o uso de uma fotografia de sua autoria no website do réu, sem que houvesse autorizado a utilização. Para ele, a prática é ilícita e se configura como contrafação. 

Por isso, em sede de tutela antecipada, pediu a retirada da obra fotográfica do site da empresa, o que foi rejeitado. No mérito, pediu a declaração de que a fotografia é de sua propriedade intelectual, e a indenização por danos materiais e morais, além da publicação no website e em três jornais de grande circulação de que o autor é detentor dos direitos sobre a imagem.

A demanda não apresentou a contestação. O juiz lhe aplicou os efeitos da revelia, presumindo-se verdadeiras as alegações de fato formuladas pelo autor (art. 344 do CPC). Destacou que estão presentes os pressupostos da responsabilidade civil, ensejando o dever de indenizar. Isso porque “o autor de uma obra, seja ela literária, artística ou científica, tem direito de utilizar, fruir e dispor da sua obra com exclusividade, dependendo de sua prévia e expressa autorização a reprodução total ou parcial da obra”.

O magistrado citou a Lei nº 9610/98, nos artigos 7º, 22, 24 e 79, para dizer que a fotografia é protegida pela lei de direitos autorais e que o autor possui direitos morais e patrimoniais sobre sua obra. Destacou, ainda, que o uso por terceiros de fotografia depende de indicação de autoria.

Diante disso, entendeu que houve contrafação, ou seja, reprodução não autorizada das fotografias. E salientou que houve uma montagem “que deixa evidente a intenção de suprimir os créditos pela obra fotográfica”, o que configura flagrante violação à Lei de Direitos Autorais. 

Para o magistrado, provada a utilização indevida da obra, “merece o autor a devida reparação pela utilização da sua obra”. Assim, fixou indenização pelo dano material no valor de R$ 1.500,00, valor de comercialização da fotografia, e pelos danos morais, que decorre da lesão ao direito da personalidade, o valor de R$ 3 mil. 

Além da indenização, condenou o réu a divulgar os créditos da obra contrafeita na forma do art. 108, III, da Lei nº 9610/98, e a retirar a fotografia de seu site, em 48 horas.

Processo nº 0828404-55.2017.8.15.2001 - Sentença Direito Autoral

Sentença

[...] Ante o exposto, por todas as razões e dispositivos elencados, JULGO PROCEDENTE o pedido inicial, para condenar a ré na obrigação de divulgar os créditos da obra contrafeita na forma do art. 108, III, da Lei nº 9610/98, bem como ao pagamento de uma indenização por danos materiais no valor de R$1.500,00 (um mil e quinhentos reais), acrescidos de juros de mora e corrigidos pelo INPC a partir da data da inclusão da fotografia no website da ré, e por danos morais no valor de R$3.000,00 (três mil reais), acrescidos de juros de mora a partir da data da inclusão da fotografia no website da ré e corrigidos a partir desta data.

Concedo o pedido de tutela antecipado, de modo que fica a parte demandada obrigada a retirar a fotografia de seu site, em 48 (quarenta e oito) horas, sob pena de multa diária no valor de R$200,00 (duzentos reais), até o limite de R$2.000,00 (dois mil reais).

Flávia Costa
Flávia Costa
Correspondente do Portal Juristas

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Arquiteta é condenada por não concluir reforma em apartamento de cliente

A 3ª Vara Cível da Comarca de Natal, no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), proferiu sentença condenando uma arquiteta, prestadora de serviços de reforma em imóveis, ao pagamento de indenização por danos materiais de R$ 74.805,00, acrescidos de multa contratual estipulada em R$ 22 mil, em razão da não conclusão, no prazo acordado, da obra em um apartamento de um cliente. Além disso, a profissional foi condenada a pagar uma indenização por danos morais em favor do autor no valor de R$ 10 mil.

A primeira turma do STF decide tornar réus sete integrantes da antiga cúpula da PMDF por omissão em atos antidemocráticos

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria para tornar réus sete integrantes da antiga cúpula da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), todos suspeitos de omissão durante os atos antidemocráticos de 8 de janeiro de 2023, quando as sedes dos Três Poderes foram invadidas e depredadas. A sessão de julgamento, que é virtual, está prevista para durar até 20 de fevereiro. Os ministros Cristiano Zanin e Cármen Lúcia seguiram o voto do relator, Alexandre de Moraes. Falta o voto do ministro Luiz Fux.

STF inspaciona desintrusão da Terra Indígena Trincheira-Bacajá (PA)

Uma missão oficial liderada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), com representantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e da Presidência da República, esteve em operação no último dia 4 para inspecionar o progresso da desintrusão da Terra Indígena (TI) Trincheira-Bacajá, localizada no estado do Pará (PA). Durante a visita, foram realizados sobrevôos em áreas-chave da reserva e reuniões com líderes indígenas do povo Xikrin.

Dupla é condenada por saída do país com dinheiro não declarado à Receita Federal

A 7ª Vara Federal de Porto Alegre emitiu sentença, no dia 6 de fevereiro, condenando dois indivíduos pelo crime de evasão de divisas. Ambos foram flagrados transportando dinheiro em espécie para fora do país sem declará-lo à Receita Federal.