Contrafação é violação de direitos autorais apta a ensejar indenização por danos a fotógrafo

Data:

fotógrafo
Créditos: Wpadington | iStock

O juízo do Foro de Campinas julgou parcialmente procedente a ação do fotógrafo Giuseppe Silva Borges Stuckert contra Foccus Viagens & Turismo (G&M Agência de Turismo e Organizadora de Eventos Ltda. - NE) pela prática de contrafação. No polo passivo da ação, ainda estavam a Assist Card do Brasil, a VRG Linhas Aéreas S/A (VARIG) e Geraldo Guedes de Santana Filho.

O fotógrafo, representado por Wilson Furtado Roberto, fundador do escritório de advocacia Wilson Roberto Consultoria e Assessoria Jurídica, alegou que uma fotografia de sua autoria, registrada na Biblioteca Nacional, foi utilizada pela VRG-Linhas Aéreas sem a devida autorização e sem indicar a autoria da obra. Em sua visão, trata-se de contrafação, uma violação a seus direitos autorais, motivo pelo qual solicitou indenização pelos danos causados, dentre outros pedidos.

A Foccus Viagens & Turismo e a Assist Card do Brasil contestaram a ação arguindo preliminar de ilegitimidade passiva e afirmando que não há elementos necessários para a responsabilização civil, ausente o ato ilícito. A VRG Linhas Aéreas S/A foi citada e não contestou. O autor homologou pedido de desistência quanto ao réu Geraldo Guedes de Santana Filho 

Para o juiz, as corrés VRG Linhas Aéreas e Assist Card “não possuem qualquer ingerência na publicação realizada pela outra demandada”, motivo pelo qual acolheu a preliminar interposta pela Assist Card, estendendo o mesmo entendimento à VRG, uma “vez que é patente a ilegitimidade passiva de ambas".

Quanto à outra corré, o juiz pontuou dispositivos da Constituição (artigo 5º, inciso XXVII) e da Lei de Direitos Autorais (artigos 7º e 79) para falar da proteção que a lei brasileira confere ao autor da fotografia. Ele atestou que foi incontroverso o uso da fotografia pela Foccus, diante das provas apresentadas pelo autor (registros de autoria junto à Biblioteca Nacional ao registro de títulos e documentos, capturas de telas de suas postagens em redes sociais e sites). 

E salientou que “a requerida deveria comprovar estar autorizada a utilizar a imagem fotografada. O fato de a imagem estar disponível em perfis do autor, de forma gratuita e sem a indicação de autoria, não favorece a ré. Cabia à requerida o ônus da prova de que o autor decaiu do direito autoral sobre sua produção artística, não sendo presumível o alegado domínio público, ainda que a foto tenha sido identificada em outros sites sem o referido crédito”.

E finalizou: “Comprovada a reprodução da fotografia sem prévia e expressa autorização do autor, às consequências respectivas. A contrafação da obra fotográfica do autor foi realizada com clara intenção de lucro, uma vez que foi incluída entre as paisagens que decoram a página da ré agência de viagens para a promoção de sua atividade. Em que pese a ausência de resultado expressivos, como defendido na contestação, é certo que a imagem foi utilizada para atração de turistas”.

Assim, condenou a Foccus ao pagamento de R$ 1.500,00 por danos materiais, e R$ 5 mil por danos morais, que, no caso, é presumido. Além disso, determinou que a empresa exclua de seu sítio virtual a publicação da imagem de autoria do requerente. Em relação às demais corrés, o juiz julgou extinto o processo.

 

Processo nº 102189-85.2017.8.26.0114

Flávia Costa
Flávia Costa
Correspondente do Portal Juristas

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Arquiteta é condenada por não concluir reforma em apartamento de cliente

A 3ª Vara Cível da Comarca de Natal, no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), proferiu sentença condenando uma arquiteta, prestadora de serviços de reforma em imóveis, ao pagamento de indenização por danos materiais de R$ 74.805,00, acrescidos de multa contratual estipulada em R$ 22 mil, em razão da não conclusão, no prazo acordado, da obra em um apartamento de um cliente. Além disso, a profissional foi condenada a pagar uma indenização por danos morais em favor do autor no valor de R$ 10 mil.

A primeira turma do STF decide tornar réus sete integrantes da antiga cúpula da PMDF por omissão em atos antidemocráticos

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria para tornar réus sete integrantes da antiga cúpula da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), todos suspeitos de omissão durante os atos antidemocráticos de 8 de janeiro de 2023, quando as sedes dos Três Poderes foram invadidas e depredadas. A sessão de julgamento, que é virtual, está prevista para durar até 20 de fevereiro. Os ministros Cristiano Zanin e Cármen Lúcia seguiram o voto do relator, Alexandre de Moraes. Falta o voto do ministro Luiz Fux.

STF inspaciona desintrusão da Terra Indígena Trincheira-Bacajá (PA)

Uma missão oficial liderada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), com representantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e da Presidência da República, esteve em operação no último dia 4 para inspecionar o progresso da desintrusão da Terra Indígena (TI) Trincheira-Bacajá, localizada no estado do Pará (PA). Durante a visita, foram realizados sobrevôos em áreas-chave da reserva e reuniões com líderes indígenas do povo Xikrin.

Dupla é condenada por saída do país com dinheiro não declarado à Receita Federal

A 7ª Vara Federal de Porto Alegre emitiu sentença, no dia 6 de fevereiro, condenando dois indivíduos pelo crime de evasão de divisas. Ambos foram flagrados transportando dinheiro em espécie para fora do país sem declará-lo à Receita Federal.