Decolar.com receberá R$ 50 mil de indenização por uso indevido de marca

Data:

Decolar.com receberá R$ 50 mil de indenização por uso indevido de marca | Juristas
Créditos: Reprodução

A 3ª Turma do STJ manteve a condenação da empresa turística Decolando Turismo para determinar que ela pague R$ 50 mil, por danos morais, e que seu domínio na internet seja cancelado em virtude da utilização indevida de marca, em ação movida pela Decolar.com.

A Decolar.com sustentou que a empresa utilizava um nome e um layout semelhante ao seu, o que confunde o consumidor e provoca desvio de cliente, já que atuam no mesmo segmento. A autora da ação ressaltou que a concorrente agiu de má-fé ao registrar sua marca depois do registro da marca Decolar.com, motivo pelo qual requereu danos materiais e morais decorrentes da concorrência desleal.

A Decolando se defendeu dizendo que não houve má-fé ou violação de direitos de marca, nem comprovação da prática de atos de concorrência desleal.

Em primeiro grau, o pedido foi julgado parcialmente procedente para a abstenção do uso da marca. O juízo entendeu que o uso do domínio não foi de má-fé e autorizou o uso simultâneo de www.decolar.com e www.decolar.com.br. O juiz rejeitou o pedido de danos materiais e morais. O TJDF, no entanto, reformou a sentença para condenar a Decolando por danos morais. Os pedidos de reparação dos danos materiais e de cancelamento do nome de domínio foram improcedentes.

No STJ, a relatora ministra Nancy Andrighi destacou que a Decolar.com é mais antiga. Disse que a má-fé pode ser caracterizada como "atos antiéticos e oportunistas" e que a situação pode, sim, causar confusão nos consumidores e desvio de clientela.

Ela pontuou que os nomes de domínio que induzam terceiros a erro ou violem direitos de terceiros não podem ser submetidos a registro, de acordo com o Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br). E disse que a confusão indevida entre os nomes de domínio é notória, diante do uso do mesmo verbo.

Para Andrighi, houve violação do direito de exclusividade do uso da palavra pela empresa Decolar.com (artigo 129 da Lei 9.279/1996). Sobre os danos morais em razão do uso indevido de marca, citou precedentes do STJ que afirma que esses danos "decorrem de ofensa à imagem, identidade e/ou credibilidade do titular do direito tutelado". O dano moral se configura em tais casos como consequência da comprovação do uso indevido de marca, não sendo necessário demonstrar prejuízo ou abalo moral.

Processo: REsp 1804035

(Com informações do Superior Tribunal de Justiça)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Esposa pode pedir para retirar sobrenome do marido mesmo durante o casamento

A possibilidade de uma esposa solicitar a retirada do sobrenome adquirido após o casamento, mesmo estando ainda na união conjugal, foi confirmada pela 2ª Câmara de Direito Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC). A decisão veio após a análise de um recurso apresentado pela própria autora da solicitação.

TRF5 assegura medicamento para tratamento de nanismo

A Sétima Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) decidiu por unanimidade garantir o fornecimento do medicamento Voxzogo (Vosoritida) a uma menor com acondroplasia (nanismo), conforme prescrições médicas. A decisão reverteu a sentença da 4ª Vara Federal da Seção Judiciária da Paraíba (SJPB) e assegurou o acesso ao tratamento, mesmo diante do alto custo do medicamento, que não é fornecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Juiz condena Banco Central ao pagamento de R$ 91 mil a produtor rural

A 1ª Vara Federal de Bento Gonçalves (RS) determinou que o Banco Central pague R$ 91,8 mil a um produtor rural de Nova Araçá (RS) referentes ao Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro). A sentença, emitida pelo juiz André Augusto Giordani e publicada no domingo (25/2), atende ao pedido do agricultor que não obteve resposta após solicitar a cobertura do seguro Proagro devido às perdas na colheita da safra 2021/2022 causadas pela seca.

STF adia julgamento da revisão da vida toda para a aposentadoria

O Supremo Tribunal Federal (STF) adiou mais uma vez o julgamento da revisão da vida toda para a aposentadoria. A discussão será retomada nesta quinta-feira (29), conforme informações do Portal InfoMoney.