Desconto de dias de greve só pode ocorrer diante da não compensação das horas não trabalhadas

Data:

greve
Créditos: andromina / shutterstock.com

A 2ª Turma do TRF1 deu provimento à apelação interposta pela União contra sentença da A 5ª Vara Federal do Distrito Federal, que havia concedido a segurança para que não ocorresse o desconto nos vencimentos dos servidores públicos em decorrência de greve.

O relator afirmou o direito de greve do servidor público, salientando que os dias não trabalhados “somente poderão ser descontados após a oportunização de compensação de horas não laboradas ou, ainda, na hipótese da declaração judicial quanto à ilegalidade do movimento paredista, o que não se afigura no presente feito”.

horas não trabalhadas
Créditos: Chodyra Mike / Shutterstock.com

O magistrado ressaltou que a Administração pode estabelecer critérios para a compensação de horas não trabalhadas como alternativa ao desconto, assegurando assim o direito de greve. Entretanto, diante da ausência de compensação de carga horária, “deve ser assegurada à Administração a possibilidade de descontos pelos dias parados, prescindível a instauração de procedimento administrativo”. (Com informações do Tribunal Regional Federal da 1ª Região.)

Processo nº: 0018795-98.2005.4.01.3400/DF

EMENTA

CONSTITUCIONAL. ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. SERVIDOR PÚBLICO. GREVE. ILEGALIDADE DO MOVIMENTO PAREDISTA NÃO DECLARADO. NECESSIDADE DE COMPENSAÇÃO DO PERÍODO DE PARALISAÇÃO. ART. 44 DA LEI 8.112/90. DESCONTO DOS DIAS PARADOS E NÃO COMPENSADOS.
I. A Constituição Federal de 1988 dispõe, no inciso VII, do art. 37, que o direito de greve será exercido nos termos e nos limites definidos em lei específica, em redação dada pela Emenda Constitucional nº 19/98, estabelecendo-se, aí, uma regra-condição.
II. Em decorrência da lacuna na legislação, o Supremo Tribunal Federal decidiu, nos Mandados de Injunção 708/DF e 712/PA, que, até a edição de lei específica por parte do Poder Legislativo, os servidores públicos têm assegurado o direito ao exercício de greve, nos moldes da Lei nº 7.783, de 1989.
III. A falta decorrente do exercício de direito constitucional deve ser considerada como ausência justificável, até porque o movimento paredista não foi considerado abusivo pelo Poder Judiciário, sendo, neste caso, aplicável a norma insculpida no parágrafo único do artigo 44 da lei nº 8.112/90.
IV. Resta consolidado na jurisprudência desta Corte o entendimento referente ao desconto dos dias não trabalhados, no sentido de que o servidor público tem direito à greve, de sorte que, os dias parados somente podem ser descontados após a oportunização de compensação de horas não trabalhadas ou, ainda, na hipótese da declaração judicial quanto à ilegalidade do movimento paredista, o que não se afigura no presente feito.
V. O Decreto 1.480/95, por não se tratar de lei em sentido formal, não possui o condão de regulamentar direito previsto na Carta Magna, eis que tal atribuição se destina à “lei específica”, conforme determina o artigo 37, VII da Constituição Federal.
VI. Diante da possibilidade dos descontos relativos aos dias de paralisação no serviço, a Administração pode estabelecer critérios para que se efetive a compensação das horas não trabalhadas, como alternativa, assegurando o pleno exercício do direito de greve dos servidores públicos.
VII. Frustrada a compensação da carga horária, deve ser assegurada à Administração a possibilidade de descontos pelos dias parados, prescindível a instauração de procedimento administrativo.
VIII. Incabível a condenação em honorários advocatícios, vez que não se aplicam à espécie, consoante art. 25 da Lei 12.016/2009 e Súmulas 105/STJ e 512/STF.
IX. Remessa oficial e apelação da União Federal parcialmente providas, para autorizar os descontos pelos dias parados nas remunerações dos servidores públicos, observando a oportunização de compensação das horas não trabalhadas.

(TRF-1, Numeração Única: 0018795-98.2005.4.01.3400 APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO N. 2005.34.00.018833-6/DF - RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL JOÃO LUIZ DE SOUSA RELATOR CONVOCADO : JUIZ FEDERAL GUILHERME MENDONÇA DOEHLER APELANTE : UNIAO FEDERAL PROCURADOR : DF00026645 - MANUEL DE MEDEIROS DANTAS APELADO : SINDICATO DOS TRABALHADORES NO SERVICO PUBLICO FEDERAL NO ESTADO DE GOIAS - SINTSEP/ GO ADVOGADO : GO00014087 - WELTON MARDEN DE ALMEIDA E OUTROS(AS) REMETENTE : JUIZO FEDERAL DA 5A VARA - DF. Data do Julgamento: 21 de março de 2018.)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.