Município de Belo Horizonte é condenado a realizar obras de acessibilidade em centro oncológico

Data:

Graduada em Medicina
Créditos: andriano_cz / iStock

A 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) decidiu condenar o Município de Belo Horizonte a realizar, em 180 dias, obras de acessibilidade no Centro de Especialização Odontológica, localizado no Bairro Barro Preto. 

O Ministério Público ajuizou ação civil pública pleiteando a intervenção com o objetivo de garantir aos cidadãos o acesso amplo à instituição. Entre os problemas observados, estavam: desníveis e buracos na calçada na entrada da edificação, acesso ao primeiro pavimento só por meio de escada, ausência de espaço reservado para portadores de deficiência, bebedouros não acessíveis, balcão da recepção elevado, maçanetas de porta em forma de esfera.

A 3ª Vara de Feitos da Fazenda Pública Municipal de Belo Horizonte entendeu que obrigar o município a regularizar a situação de modo específico caracterizava interferência indevida de um poder sobre o outro, pois o Executivo tem autonomia para definir suas prioridades.

O Ministério Público recorreu ao TJMG e a turma julgadora da 4ª Câmara Cível modificou a sentença, por considerar que o acesso de pessoas com deficiência a prédios públicos está garantido pela Constituição, portanto não se trata de invasão de um poder sobre o outro.

Os desembargadores, entretanto, divergiram quanto à data de início das reformas, pois o relator, desembargador Dárcio Lopardi Mendes, entendeu que as obras deveriam começar de imediato para garantir o princípio do período razoável de tramitação do processo.

Prevaleceu a escolha por aguardar a conclusão da demanda. O desembargador Renato Dresch, que propôs que a intervenção ocorra após o trânsito em julgado da ação, foi seguido pelos outros componentes da câmara, os desembargadores Moreira Diniz, Ana Paula Caixeta e Kildare Carvalho.

Com informações do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais

Fique por dentro de tudo que acontece no mundo jurídico no Portal Juristas, siga nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram e Linkedin. Adquira sua certificação digital e-CPF e e-CNPJ na com a Juristas Certificação Digital, entre em contato conosco por email ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Empresa condenada por uso indevido de marca registrada

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que uma empresa cessasse a venda de roupas que utilizavam indevidamente uma marca registrada por outra empresa do mesmo segmento.

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.