Partido Novo contesta no STF medida provisória sobre a reoneração da folha de pagamento 

Data:

Partido Novo contesta no STF medida provisória sobre a reoneração da folha de pagamento  | Juristas
Concepção empresarial, financeira e contabilística — stock imagem, foto
- Autor
scanrail

O Partido Novo apresentou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 7587) no Supremo Tribunal Federal (STF) contra uma medida provisória editada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A MP 1.202/2023, publicada no final de 2023, aborda diversos pontos, incluindo a reoneração da folha de pagamento de diferentes setores produtivos, como parte de esforços para equilibrar as contas públicas.

Além de propor a retomada gradual da carga tributária em 17 atividades econômicas, o texto da medida provisória também estabelece limitações nas compensações tributárias originadas de decisões judiciais e reintroduz a tributação sobre o setor de eventos.

Partido Novo contesta no STF medida provisória sobre a reoneração da folha de pagamento  | Juristas
Brasília (DF) 21/06/2023 Cristiano Zanin; ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Foto Lula Marques/ Agência Brasil.

O Partido Novo argumenta que a medida provisória não atende ao critério de urgência e viola o princípio da separação dos Poderes, uma vez que entra em conflito com uma lei aprovada pelo Congresso Nacional que prorroga a desoneração até 2027.

A ação foi encaminhada para o relator, ministro Cristiano Zanin.

Com informações do Supremo Tribunal Federal (STF).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.