Empresa de turismo é condenada a indenizar fotógrafo por uso indevido de imagem

Data:

O juiz da 1ª Vara Cível da Comarca de Itajaí/SC, nos autos do processo nº 0303458-19.2014.8.24.0033, julgou parcialmente procedente os pedidos feitos por Clio Robispierre Camargo Luconi em ação de obrigação de fazer cumulada com indenização por perdas e danos em face de FLYTOUR American Express Itajaí Ltda.

O autor, representado pelo advogado Wilson Furtado Roberto, fundador do escritório de advocacia Wilson Roberto Consultoria e Assessoria Jurídica e do Portal Juristas, alegou ser fotógrafo profissional que comercializa suas fotos por um valor entre R$ 1 mil e R$ 2 mil. Afirmou que se deparou com a contrafação de 3 fotografias de sua autoria no site da requerida, sem sua autorização e indicação de autoria.

Diante disso, requereu a condenação da requerida ao pagamento de indenização pelos danos materiais e morais suportados, bem como ao cumprimento de obrigação de fazer consistente em publicar as obras contrafeitas em jornal de grande circulação.

Em contestação, a empresa solicitou a retificação de sua denominação, no que foi atendida. No mérito, arguiu carência de ação, diante da ausência de documentação comprobatória de autoria das fotografias, e perda do objeto do pedido quando do deferimento da tutela. Este último pedido foi indeferido, visto que o deferimento de tutela não faz desaparecer o interesse de agir.

A empresa pleiteou, ainda, a conexão da demanda com os autos de outros processos em cursos, o que foi afastado, já que a causa de pedir em cada uma delas é diversa. Por fim, questionou as perdas e danos dizendo que não houve ato ilícito, já que foi autorizado a veicular a obra.

Na decisão, o juiz afirmou que a Lei de Registros Autorais (LDA) protege expressamente as fotografias como obras intelectuais, sendo seu registro facultativo. Salvo prova em contrário, considera-se autor da obra aquele que se identifica como tal. Destacou que a utilização da obra fotográfica por terceiros dependerá da prévia expressa autorização do autor e da indicação legível do nome dele na reprodução.

A conduta contrária por parte da empresa faz nascer o direito à indenização por violação de direitos autorais. Quanto aos danos materiais, fixou, então, indenização de R$ 1.500,00 por fotografia, perfazendo o total de R$ 4.500,00. Em relação aos danos morais, presumidos, fixou o valor de R$ 3.000,00.

Quanto ao pedido publicação das obras contrafeitas, nos moldes do art. 108, II e III, da LDA, o juiz afirmou que a retratação deve observar a razoabilidade e a proporcionalidade, e o pedido não obedece a esses princípios, já que as peças publicitárias exclusivamente comerciais se restringiram a determinado tempo passado.

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.