Empresário acusado de integrar esquema de corrupção na Secretaria de Saúde do RJ continuará preso

Data:

esquema de corrupção
Créditos: Kritchanut | iStock

O ministro Gilmar Mendes, do STF, julgou inviável o Habeas Corpus 170624 que pedia a revogação da prisão preventiva do empresário Miguel Iskin, no âmbito da Operação SOS – Fratura Exposta III, que investiga esquema de corrupção na Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro. Preso desde agosto do ano passado após decisão da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro, o empresário não obteve sucesso com o HC no TRF-2 nem no STJ

No Supremo, seus advogados disseram que o juízo de primeira instância utilizou os mesmos fundamentos constantes de decretos anteriores na nova ordem de prisão, que teriam sido revogados pelo ministro Gilmar Mendes nos HCs 151632 e 160178. Disseram também que, por não haver dados concretos que evidenciem o risco de sua liberdade, a aplicação de medidas cautelares menos gravosas que a prisão é possível.

No entanto, para Gilmar Mendes, não há abuso de poder ou constrangimento ilegal manifesto que justifique a excepcional tramitação do habeas corpus no STF. Ele destacou que a questão não foi analisada definitivamente nas instâncias inferiores e que há um agravo regimental, interposto contra a decisão monocrática de ministro do STJ, pendente de julgamento.

Mendes ainda ressaltou que, conforme a decisão do STJ, o empresário, suposto doleiro, participaria de organização criminosa em esquema de lavagem de dinheiro e remessa de dinheiro ao exterior em larga escala. Salientou que há elementos nos autos que apontam o sua participação ativa na articulação e coordenação no esquema de corrupção no sistema de saúde do Rio de Janeiro, o que demonstraria a gravidade em concreto da conduta investigada.

 

Processo relacionado: HC 170624

(Com informações do Supremo Tribunal Federal)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Arquiteta é condenada por não concluir reforma em apartamento de cliente

A 3ª Vara Cível da Comarca de Natal, no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), proferiu sentença condenando uma arquiteta, prestadora de serviços de reforma em imóveis, ao pagamento de indenização por danos materiais de R$ 74.805,00, acrescidos de multa contratual estipulada em R$ 22 mil, em razão da não conclusão, no prazo acordado, da obra em um apartamento de um cliente. Além disso, a profissional foi condenada a pagar uma indenização por danos morais em favor do autor no valor de R$ 10 mil.

A primeira turma do STF decide tornar réus sete integrantes da antiga cúpula da PMDF por omissão em atos antidemocráticos

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria para tornar réus sete integrantes da antiga cúpula da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), todos suspeitos de omissão durante os atos antidemocráticos de 8 de janeiro de 2023, quando as sedes dos Três Poderes foram invadidas e depredadas. A sessão de julgamento, que é virtual, está prevista para durar até 20 de fevereiro. Os ministros Cristiano Zanin e Cármen Lúcia seguiram o voto do relator, Alexandre de Moraes. Falta o voto do ministro Luiz Fux.

STF inspaciona desintrusão da Terra Indígena Trincheira-Bacajá (PA)

Uma missão oficial liderada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), com representantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e da Presidência da República, esteve em operação no último dia 4 para inspecionar o progresso da desintrusão da Terra Indígena (TI) Trincheira-Bacajá, localizada no estado do Pará (PA). Durante a visita, foram realizados sobrevôos em áreas-chave da reserva e reuniões com líderes indígenas do povo Xikrin.

Dupla é condenada por saída do país com dinheiro não declarado à Receita Federal

A 7ª Vara Federal de Porto Alegre emitiu sentença, no dia 6 de fevereiro, condenando dois indivíduos pelo crime de evasão de divisas. Ambos foram flagrados transportando dinheiro em espécie para fora do país sem declará-lo à Receita Federal.