Escritórios de advocacia reduzem 59% do prejuízo financeiro com perdas de prazos por meio do uso de software jurídico

Data:

Conduzido pela Softplan, estudo contou com a participação de 147 escritórios no Brasil que adotam tecnologias para otimizar gestão de processos

escritórios de advocacia
Créditos: Phonlamai Photo | iStock

Assim como em outros mercados, a área da Justiça está incorporando à sua realidade uma série de tendências tecnológicas. No Reino Unido, por exemplo, “robôs-advogados” conseguiram, em poucos meses, derrubar cerca de $3 milhões em multas de estacionamento, além de também serem usados para ajudar usuários em casos de atrasos e cancelamentos de voos. No Brasil, escritórios de advocacia estão usando softwares jurídicos para otimizar a gestão, baseados em recursos inovadores como inteligência artificial. A tecnologia não substituirá o profissional do Direito, mas já é considerada, há alguns anos, a principal aliada para que a atividade seja executada com qualidade num mundo em que a cultura da judicialização é forte.

Pensando nesse cenário, a Softplan realizou um estudo inédito sobre o retorno de investimento no uso de tecnologia, como é o caso de um software jurídico. Participaram da pesquisa 147 escritórios de advocacia no Brasil, que apontaram uma redução de 59% no prejuízo financeiro com perdas de prazos após implantação de software jurídico.

Escritórios de advocacia reduzem 59% do prejuízo financeiro com perdas de prazos por meio do uso de software jurídico | Juristas
Créditos: Reprodução

A pesquisa também apontou que, além de gerar melhorias para o clima organizacional e gerencial dos escritórios, o uso de tecnologia jurídica também se converte em impactos positivos ao meio ambiente: 47,5% dos escritórios economizaram espaço físico com a redução no uso de papel, e 39,4% afirmaram que esse fator gerou uma economia financeira mensal de até R$ 2 mil. A adoção de tecnologias também aumentou a produtividade de 93% dos entrevistados, que deixaram de despender cerca de 5 horas por semana com atividades burocráticas no trabalho. Ou seja, o software jurídico otimizou o equivalente a 12% de uma jornada de 40h semanais. Também houve diminuição de estresse nos advogados que utilizam a tecnologia em sua rotina profissional: 83,5% dos entrevistados concordaram que houve melhora no ambiente de trabalho após o uso de um software jurídico, e 79,39% concordaram que houve redução de estresse e apreensão durante a jornada de trabalho.

Além disso, 58,6% dos entrevistados disseram ter economizado com gastos em suprimentos como cartuchos de tinta, usados na impressão de papéis. A adoção da tecnologia também gerou satisfação nos clientes atendidos por 72,34% dos escritórios de advocacia cujos representantes foram entrevistados na pesquisa. A solução ainda possibilitou um aumento médio de 30% na lucratividade dos escritórios consultados.

Como a pesquisa foi feita — A pesquisa teve por objetivo identificar o ROI (Return on Investment ou Retorno Sobre o Investimento) sobre a implementação de um software jurídico dentro de escritórios de advocacia, observando de que forma o uso da tecnologia impactou positivamente em fatores como espaço, segurança dos prazos, retorno financeiro, tempo, suprimentos e satisfação dos clientes. Além da parte teórica, a pesquisa foi composta por outras duas etapas: pesquisa qualitativa em profundidade junto aos clientes por meio de entrevistas, que foi fundamental para levantar os dados e analisar o resultado — somada à pesquisa quantitativa anônima, feita através de formulários online. Em resumo, a economia originada a partir do uso do software resultou em um aumento de produtividade dos colaboradores, redução na perda de prazos processuais, com uma média de ROI de R$ 7.655,00 por ano, ou de aproximadamente R$ 637,92 mensais.

Leia também:

Conheça o Juristas Signer , a plataforma de assinatura de documentos com certificado digital.

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Banco Inter deve indenizar cliente por compras em cartão de crédito furtado fora do país

A 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal confirmou uma decisão que obriga o Banco Inter S/A a indenizar um cliente devido à negativação de seu nome após compras realizadas com um cartão de crédito furtado. A sentença determinou a anulação de um débito no valor de R$ 6.382,91, o cancelamento de empréstimos automáticos realizados na fatura, a exclusão do nome do consumidor dos registros de proteção ao crédito e o pagamento de uma indenização de R$ 5 mil por danos morais.

Justiça mantém suspensão de repasse de indenização da Petrobras ao Governo do Paraná

A Justiça Federal decidiu manter, temporariamente, a suspensão do repasse da indenização da Petrobras para o FEMA - Fundo Estadual do Meio Ambiente, seguindo uma determinação do Ministério Público do Estado do Paraná. Essa medida está relacionada a uma ação civil pública que tratou do vazamento de petróleo da Repar (Refinaria Presidente Getúlio Vargas) em Araucária, ocorrido em 18 de julho de 2000.

Justiça nega liminar a estudante que alegou superdotação para ingressar na universidade sem ensino médio

A Justiça Federal indeferiu um pedido liminar feito por uma estudante do segundo ano do Ensino Médio que havia sido aprovada no vestibular de Medicina da UFSC. A decisão foi proferida pelo juiz Rafael Selau Carmona, da 3ª Vara Federal de Florianópolis, que citou a necessidade objetiva da conclusão do nível anterior ao universitário para o ingresso na instituição.

Farmácia de manipulação tem pedido negado para nomear fórmulas em rótulos de produtos

A 3ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP)confirmou a sentença da 2ª Vara da Fazenda Pública de Piracicaba, proferida pelo juiz Maurício Habice, que negou um mandado de segurança impetrado por uma farmácia de manipulação contra a proibição de nomear as fórmulas de seus produtos manipulados nos rótulos.