Hotel é responsável por furto de carro em estacionamento próprio

Data:

 por furto de carro em estacionamento
Créditos: Djedzura | iStock

Por ser responsável pela segurança do bem de seu consumidor, um hotel de São Paulo foi condenado pela 33ª Câmara de Direito Privado do TJ-SP a indenizar uma família que teve o carro furtado em seu estacionamento.

Uma família que se hospedava no hotel teve seu carro furtado. O estabelecimento ofereceu outro carro para os hóspedes voltarem à cidade de origem, mas a família se recusou, uma vez que o carro era menor e mais desconfortável. Devido ao episódio, ficaram mais quatro dias na cidade e voltaram de avião para a cidade de origem.

Como a corretora de seguros ofereceu um valor menor do que o valor do carro, além da cobrança de franquia, os hóspedes não aceitaram e ingressaram na Justiça cobrando o valor do carro, o gasto com passagens aéreas e alimentação, além de indenização por danos morais.

Para o relator, a responsabilidade é do hotel, que não coibiu condutas ilícitas de terceiros diante de um sistema de segurança ineficiente. Acrescentou que tanto o hotel quanto o estacionamento não agiram como deveria, já que ofereceram um seguro com valor menor que o carro apresenta na tabela Fipe. Diante dos fatos, também acolheu o pedido de reembolso pela alimentação.

Hotel é responsável por furto
Créditos: Artisteer | iStock

Por fim, afirmou que “não podem os réus se eximir dessas despesas sob o singelo argumento de que a recusa dos autores ao carro reserva oferecido pela seguradora era injustificada. Onde a obrigação de aceitar carro reserva de qualidade diversa daquele que foi furtado? Como bem apontado pela sentença, o veículo dos autores comportava a quantidade de peso despachada por via aérea, de modo que não podem ser eles prejudicados pelos limites de bagagem impostos pelas companhias aéreas”.

O desembargador manteve a indenização por danos morais de R$ 8 mil para cada membro da família, valor fixado em primeiro grau. (Com informações do Consultor Jurídico.)

Processo: Apelação 1009526-78.2016.8.26.0077 - Decisão (disponível para download.)

DECISÃO

Ação de indenização prestação de serviços de hotelaria preliminares de ilegitimidade ativa, de falta de interesse de agir e de nulidade da sentença por cerceamento de defesa rejeitadas veículo dos autores furtado no interior do estacionamento oferecido pelo hotel em que os autores estavam hospedados responsabilidade solidária dos réus ausência de causa excludente indenização por danos materiais mantida, esclarecida a condenação pelo valor do veículo ao proprietário e demais danos aos outros três autores danos morais caracterizados e a favor dos três autores hospedados indenização razoável, dado o comportamento dos réus apelações não providas, com aumento dos honorários advocatícios.

(tjsp, Apelação nº 1009526-78.2016.8.26.0077 Comarca: Birigüi - Foro de Birigüi - 2ª Vara Cível Apelante/Apelado: Lorenatur Hotel Ltda Apelados: Alianz Seguros S.A, João Roberto Pulzatto, Silmara Rossi Framarin Pulzatto, Evandro Framarin Pulzatto e João Roberto Framarin Pulzatto Apelado/Apelante: Harry's Estacionamento Eireli - Epp. Data do Julgamento: 11 de Junho de 2018.)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.