Justiça mantém prisão de autuados por feminicídio tentado e consumado

Data:

Feminicídio
Créditos: adrenalina / Depositphotos

Nos dias 3 e 4 de março, o Núcleo de Audiência de Custódia converteu em prisão preventiva a detenção em flagrante de Dioney de Andrade Miguel Cruz e Guilherme Nascimento Pereira. Dioney foi preso por tentativa de homicídio qualificado contra uma mulher em um contexto de violência doméstica, enquanto Guilherme foi preso por homicídio qualificado e feminicídio.

O processo de Dioney (nº 0701531-57.2023.8.07.0017) está em tramitação na Vara Criminal e do Tribunal do Júri do Riacho Fundo. Durante a audiência, foi relatado que Dioney teria intencionalmente jogado seu carro contra a vítima, com a presença de uma criança de dois anos no veículo. Os juízes afirmaram que a prisão preventiva é necessária devido à gravidade dos fatos.

Já o processo de Guilherme (nº 0703769-79.2023.8.07.0007) está em tramitação no Tribunal do Júri de Taguatinga. Segundo informações extraídas dos autos, Guilherme e a vítima tiveram uma discussão motivada por ciúmes, resultando na morte da vítima. Os juízes consideraram os fatos igualmente graves e determinaram a prisão preventiva de Guilherme.

Para acompanhar os processos, acesse o PJe1.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Empresa condenada por uso indevido de marca registrada

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que uma empresa cessasse a venda de roupas que utilizavam indevidamente uma marca registrada por outra empresa do mesmo segmento.

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.